Brasil

Vereador Prisco passa por cateterismo em hospital de Brasília, diz defesa

Líder das últimas greves realizadas pela Polícia Militar baiana, Prisco está preso desde o dia 18 de abril

Redação Correio 24h
- Atualizada em
O vereador Marco Prisco (PSDB) foi encaminhado para passar um cateterismo na tarde desta quarta-feira (7), segundo informações de advogados. Por procedimento padrão, ele seguiu para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital de Base de Brasília, onde está internado desde domingo (4) quando passou mal - a Secretaria da Saúde de Brasília descartou que ele tenha sofrido um princípio de infarto na ocasião, como chegou a informar a defesa do político. O último boletim divulgado pela Secretaria foi na data de ontem e informava que Prisco tinha saúde estável e fazia uso de medicamentos.

Líder das últimas greves realizadas pela Polícia Militar baiana, Prisco está preso desde o dia 18 de abril, quando a Polícia Federal o deteve, após o fim da greve da PM. Ele é acusado pelo Ministério Público Federal de cometer crimes contra a segurança nacional ainda durante a greve de 2012, realizada entre os dias 31 de janeiro e 10 de fevereiro daquele ano.

O advogado Leonardo Mascarenhas disse que a defesa do vereador aguarda a resposta de vários pedidos, incluindo o de prisão domiciliar e o julgamento do mérito do habeas corpus, e estão otimistas. "Houve o desbloqueio das contas de todas as entidades (ligadas a policiais militares) e isso reforça que não haveria problema nenhum na liberdade de Prisco", defende Mascarenhas. "Se a Justiça bloqueou o dinheiro para que não houvesse nenhuma movimentação grevista, agora um desembargador federal entende que isso não é mais preciso. Estamos aguardando as decisões", acrescenta.

No dia 23, o ministro Ricardo Lewandowski , do Supremo Tribunal Federal (STF), negou o pedido liminar de liberdade para o vereador. Entre os sete crimes a que Prisco responde, estão os de impedir com violência ou grave ameaça o livre exercício de qualquer dos poderes da União ou dos estados e praticar sabotagem contra instalações militares, meios e vias de transporte.
Prisco foi transferido do presídio para hospital após suspeita de infarto  (Foto: Divulgação)