Brasil

Vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ) é assassinada a tiros

A principal linha de investigação da polícia é a de execução

Agência O Globo
- Atualizada em

 A vereadora Marielle Franco (PSOL), de 38 anos, foi assassinada a tiros por volta das 21h30m desta quarta-feira, na Rua Joaquim Palhares, no Estácio, próximo à prefeitura do Rio. O motorista que estava com ela, Anderson Pedro Gomes, também foi morto na ação. Eles estavam acompanhados de assessora da vereadora, que foi atingida por estilhaços e levada para o hospital Sousa Aguiar. A principal linha de investigação é a de execução.

Marielle Franco, vereadora eleita pelo PSOL - Márcia Foletto / Agência O Globo

 Policiais militares informaram que um carro teria emparelhado com o da vereadora, e os ocupantes abriram fogo, fugindo em seguida. De acordo com a PM, a janela à direita no banco de trás, onde estava Marielle, ficou completamente destruída. Segundo investigadores da Delegacia de Homicídios (DH), que investigam o caso, os criminosos não levaram nada de nenhum dos ocupantes do veículo. Pelo menos cinco tiros teriam atingido a cabeça da vereadora.

Quase no mesmo horário, no Cachambi, o empresário Claudio Henrique Costa Pinto, de 43 anos, foi morto por bandidos na frente do filho de 5 anos.

Marielle tinha acabado de sair de um evento chamado "Jovens Negras Movendo as Estruturas", realizado na Rua dos Inválidos, na Lapa, e seguia para a sua casa na Tijuca. Ela foi a quinta vereadora mais votada do Rio nas eleições de 2016.

O deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL) foi um dos primeiros a chegar ao local do crime. Segundo o deputado, não havia qualquer ameaça contra ela.

— Todas as características são características de execução. Evidente que vamos aguardar todas as conclusões da polícia, cabe a polícia fazer a investigação, mas a gente, evidentemente, não vai nesse momento aliviar isso. A gente quer isso apurado. Não é por cada um de nós, é pelo Rio de Janeiro. Isso é completamente inadmissível, uma pessoa cheia de vida, cheia de gás, uma pessoa fundamental para o Rio de Janeiro, brutalmente assassinada.

Uma testemunha contou que ouviu muitos tiros:

— Eu estava subindo a escada da estação quando ouvi os tiros. Por poucos segundos não fiquei em meio ao fogo cruzado. Ouvi muito tiros e quando saí da estação três moças me disseram que viram o carro branco em que Marielle estava sendo perseguido por outro. As pessoas estavam na praça vendo em choque. As pessoas estavam em volta. No momento não tinha policiais. Eu acredito que os bandidos saíram muito rápido — disse uma testemunha que estava no local.