Brasil

Vítimas querem banimento do técnico acusado de abuso sexual

Pedido de inquérito contra Fernando Lopes é encaminhado ao STJD da ginástica

Agência O Globo

Acusado de abuso sexual por pelo menos 40 atletas e ex-atletas, o ex-treinador da seleção brasileira masculina de ginástica Fernando de Carvalho Lopes sofreu mais uma derrota. Nesta quarta-feira, três de suas vítimas pediram a instauração de inquérito contra ele no STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva) da modalidade. O objetivo é conseguir seu banimento do esporte. Lopes já está afastado de suas funções do Mesc (Movimento de Expansão Social Católica), de São Bernardo do Campo, desde que as denúncias vieram à tona.

Foto: Reprodução/TV Globo
O advogado que representa as três vítimas, André Sica, foi o responsável por encaminhar o pedido à Justiça. Outros ex-ginastas ainda podem vir a fazer parte do documento que solicita o banimento.

- Os fatos relatados pelos atletas são gravíssimos e inaceitáveis. Na esfera esportiva, buscaremos o banimento do treinador de qualquer atividade, para que outros atletas nunca mais venham passar pela mesma situação - afirmou o advogado ao globoesporte.com.


Segundo o site, uma das probabilidades é que o pedido seja encaminhado para o Comitê de Ética da CBG (Confederação Brasileira de Ginástica), que ainda está sendo criado. Isso porque, uma vez que Lopes não está mais ligado a nenhum clube ou à seleção, o STJD pode não conseguir abrir o inquérito, por não ter jurisdição.

Fernando Lopes virou alvo de um processo administrativo na prefeitura de Diadema, que deve exonerá-lo do cargo público que ocupa. E o Conselho Regional de Educação Física do estado de São Paulo move um processo ético contra ele, que deve resultar na cassação de seu registro profissional. Além disso, a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) instalada no Senado para investigar crimes relacionados aos maus-tratos em crianças e adolescentes aprovou a convocação do ex-técnico para prestar depoimento. Ele é obrigado a comparecer à Comissão, em data ainda a ser marcada.

O ex-treinador é investigado desde 2016 quando os pais de um menino menor de idade por ele o denunciou à Delegacia da Mulher (que também atende a crianças e adolescentes) de São Bernardo. Por conta disso, a Confederação Brasileira de Ginástica o desligou da seleção brasileira às vésperas do início dos Jogos Olímpicos do Rio. O caso corre em segredo de justiça.