Brasil

Youtuber agredido por policiais diz que recebeu ligação de Claudia Leitte

Guigo Kieras associa crime à homofobia

Thayná Rodrigues, da Agência O Globo
- Atualizada em

Guigo Kieras, youtuber agredido por policiais em São Paulo, gravou um vídeo desabafando sobre o caso. O flagrante da agressão foi exibido pelo "Fantástico", da TV Globo, no último domingo, e mostra homens da PM dando socos e pontapés no influenciador digital. No canal "Põe na roda", no Youtube, o paulista desabafou sobre o caso. Segundo Kieras, ele e um amigo estavam abrigados da chova sob um coqueiro quando ouviram os policiais dizerem que eles não poderiam permanecer ali.

"Cinco policiais vieram atrás da gente com cacetetes. começaram a correr atrás da gente, batendo com muita força com o cacetete (...) Essa agressão pode ter sido por implicância, por a gente estar ocupando um lugar que eles não queriam que a gente ocupasse, mas pode ser, sim, homofobia", opinou o youtuber, que é gay, e divulgou um novo vídeo sobre o caso em suas nas redes sociais.


O amigo de Kieras, ainda machucado, conseguiu fugir. O youtube, no entanto, afirma que foi em direção à multidão que assistia ao bloco da cantora Claudia Leitte. Neste instante, o youtuber afirma que foi pego. "Eu levei chute, cacetada, soco na boca (...) Eram cinco policiais contra uma pessoa desarmada e pedindo para que eles parassem. Eu não tentei bater em ninguém. Não preciso nem debater muito. O vídeo da TV mostra. Eu implorava para eles pararem. Foi quando levei um mata-leão e pedi: 'Por favor, só não me mata'. Nisso, eu apaguei por alguns minutos. Quando acordei, pedi para ir embora. Eles me chutaram e me mandaram ir embora".

O youtuber alegou ter tido dificuldade para registrar o Boletim de Ocorrência. Seis horas após esperarem, ele e um amigo conseguiram assinar o documento. Em seguida, o influenciador digital conversou com amigos integrantes da Renosp LGBTI+ (Rede Nacional de Operadores de Segurança Pública LGBTI+). Em resposta ao "Fantástico", a Polícia Militar de São Paulo afirmou que abrirá investigações para apurar o caso.

Em resposta à solicitação do jornal 'Extra', a Polícia Militar de São Paulo afirmou que os policiais envolvidos nas agressões foram afastados da corporação. Paralelamente, correm investigações nas polícias Militar e Civil. A depender o resultado dos inquéritos, os policiais podem até ser expulsos da organização.

Claudia Leitte ligou para o folião agredido

No vídeo, Kieras afirma que já havia recebido orientações para não responder a policiais devido a sua condição. A repercussão do crime também fez os artistas comentarem, entre eles a dona do bloco, Claudia Leitte, e Pabllo Vittar.

"Claudia Leitte me ligou perguntando: 'Como foi seu domingo?' Ela é incrível. a grande preocupação da Claudinha era se eu tinha corrido atrás dos meus direitos, se eu estava bem e se eu estava amparado. Ela é uma pessoa muito especial. Sou fã há muitos anos, e hoje vi que ela é um anjo", disse Guilherme.