Carnaval

Cuidados com a alimentação é mais exigida no Carnaval

Agentes da Vigilância Sanitária realizaram 133 inspeções em estabelecimentos do comércio formal como bares, restaurantes, camarotes e hotéis

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)
- Atualizada em


Onde Está Meu Trio?




A folia momesca já começou e com isso, os foliões precisam ter mais atenção e cuidados com a alimentação. Para evitar surpresas indesejáveis causadas por infecções alimentares, o subcoordenador da Vigilância Sanitária de Salvador, André Luís Pereira, alerta os foliões para observarem as condições de limpeza dos estabelecimentos onde os produtos estão sendo comercializados, além de verificar a aparência antes de consumi-los.

"O Carnaval é um período onde as pessoas devem ter cuidados redobrados com a alimentação. É importante ficar atento às condições de higiene dos estabelecimentos, se os atendentes estão usando luvas, perceber se a forma de manuseio está adequada e se os utensílios utilizados estão limpos. Também é preciso ficar ligado na aparência do produto. Perceber se a coloração e o cheiro estão dentro do padrão normal podem evitar um problema como uma infecção, por exemplo", esclareceu André de acordo com a nota da Secretaria de Comunicação (Secom).

Para garantir a qualidade dos produtos comercializados na folia, equipes da Vigilância estão atuando em plantão de 24 horas em todos os circuitos até a Quarta-feira de Cinzas na fiscalização de estabelecimentos do comércio formal e informal.

Ações – Na noite desta quinta-feira (08), durante o primeiro dia oficial de Carnaval em Salvador, os agentes da Vigilância Sanitária realizaram 133 inspeções em estabelecimentos do comércio formal como bares, restaurantes, camarotes e hotéis, além de 274 em balcões de alimentos, baianas de acarajé e ambulantes do comércio informal. 

No total foram lavradas 90 notificações devido a problemas na qualidade, implantação deficiente ou inexistente das boas práticas de manipulação, ausência de embalagem e/ou rotulagem dos produtos utilizados e inconformidades estruturais, além de uma apreensão de 2,5 quilos de arroz que estavam armazenados de forma inadequada em um restaurante no Pelourinho.