Carnaval

Desfile do Ilê Aiyê no Campo Grande destaca importância do bloco

Passagem do bloco afro Ilê Aiyê, nesta segunda-feira (5), por volta das 23h, no Campo Grande

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)

A passagem do bloco afro Ilê Aiyê, nesta segunda-feira (5), por volta das 23h, no Campo Grande, mostrou sua importância na musicalidade. Neste ano completa-se 45 anos de uma das mais relevantes entidades da cultura negra do Brasil. Além da ala de canto e dos tambores, a música do Ilê Aiyê foi valorizada pela performance do ator, diretor e dramaturgo Ângelo Flávio, que recitou trechos de canções marcantes da história do Mais Belo dos Belos.

Foto: André Frutuôso

Entre as canções selecionadas pelo artista estava ‘A Bola da Vez’, de Joccylee e Toinho do Vale, do Carnaval de 2007, que traz uma série de reivindicações da população negra e os versos “Essa Reparação já passou da Hora”.

A canção criada para o primeiro desfile do bloco, no Carnaval de 1975, ‘Que bloco é esse’, de Paulinho Camafeu, foi a grande homenageada este ano. A música inspirou ao compositor Marco Boa Morte (Poca Olho), 55 anos, a criar mais um sucesso para o Ilê Aiyê e vencer o Festival de música do bloco nas categorias tema e poesia. 

Além de vencer os últimos três anos no festival de música do Ilê, Marco Boa Morte tem canções para os blocos afro Malê Debalê, Os Negões, Muzenza, e os blocos de samba Alvorada e Alerta Geral.