Carnaval

Longe dos holofotes, produtores de Ivete, Margareth, Brown e Márcio Victor cuidam dos mínimos detalhes

Trabalho de um produtor pessoal é definição mais sucinta de mistura de anjo da guarda e secretário

Victor Villarpando (victor.villarpando@redebahia.com.br)
- Atualizada em

Ao ver uma cantora em cima do trio elétrico saiba que tem alguém ali perto atento a qualquer necessidade – seja um copo de água, uma ida ao banheiro ou o nome daquela pessoa que acena do camarote. Essa é apenas a ponta do iceberg do trabalho de um produtor pessoal, cuja definição mais sucinta é uma mistura de anjo da guarda e secretário. Mas eles têm momentos de copeiro, office boy, cozinheiro, confidente, lavadeira, carregador de malas, stylist, motorista, cabeleireiro, conselheiro, babá...  Um artista não sai de casa – seja para show, entrevista ou participação em batizado de boneca – sem o seu produtor pessoal. Ou melhor: é o produtor quem leva o artista para os lugares. “Eles praticamente colocam a gente no palco. Acordam antes e dormem depois. São como mães e pais que cuidam da gente. É uma relação de confiança e amor mútuo”, explica Márcio Victor.


Clique aqui e leia as notícias mais importantes do Carnaval de SalvadorPara Margareth Menezes, trata-se de uma figura que transita entre a vida pública e a intimidade: “Ele conhece a personagem Margareth Menezes e a pessoa Margareth, pois frequenta minha casa”. Conheça rotina e histórias de quem resolve tudo para o bem-estar e conforto do artista.

O escudeiro de IveteHá 25 anos, Raimundo da Rocha Espinheira, 47, foi apresentado a Ivete Maria Dias de Sangalo, 41, no balcão da loja de shopping em que ele trabalhava. Ele não imaginava, mas estava ali a grande virada de sua vida. Prima de uma amiga de Dito, Ivete alegrava as tardes do rapaz cantando, enquanto ele batucava no balcão. “Ficamos muito amigos, inseparáveis. Fazíamos tudo juntos”, diz Dito. Pouco depois, a bela começou a cantar. Na Banda Eva, prometeu ao amigo que, assim que partisse para a carreira solo, o levaria junto. Dito e feito. Ele estava morando em Recife. Ivete passou lá e disse para ele fazer as malas, pois voltaria para Salvador com ela. “Ela me ensinou a profissão, me explicou tudo”, conta o produtor, que chegou a cursar Engenharia Civil e Turismo, mas não concluiu.


Baixe o aplicativo que localiza os blocos nos circuitos da folia: www.ibahia.com/ondeestameutrio


“Nunca fui de muito estudo e precisava trabalhar. Sempre gostei de lidar com gente”, relembra Dito. Para ele, a atuação do produtor pessoal envolve um pouco de tudo. “Do escritório ao palco, passando pela casa e pelo camarim. É quase um casamento. Tô com ela há 16 anos”, explica Dito, que foi escolhido pela diva para ser padrinho do pequeno Marcelo e até hoje se emociona ao falar de bons momentos com a patroa/amiga. “O dueto com Stevie Wonder me deu muita felicidade. Quando o empresário dele entrou no camarim dizendo que ele queria cantar com ela, comecei a chorar. Minha recompensa está ligada à realização dela”, balbucia Dito, sem conter as lágrimas. Mas e as dificuldades? “As piores são as que não posso dar jeito, como o fechamento de um aeroporto devido a chuva. Isso me angustia, porque o produtor está lá para resolver o que quer que seja”, explica. O golpe final na pose de durão foi perguntar sobre a personalidade da musa: “Ela é maravilhosa, detalhista e põe carinho em tudo. Não se importa se o camarim tem muita comida, mas faz questão de um palco bonito para a plateia”. Alguns segundos depois, com fôlego renovado, ele completa: “É uma relação de troca, trabalho, amor... Nunca vi ninguém cantar tanto e respeitar tanto as pessoas. Digo que, depois dela, só consigo trabalhar com bicho ou máquina. A gente brinca, dizendo que vou estar de bengala dizendo para ela trocar um vestido (risos)”.  A recíproca é verdadeira. Com a palavra, Ivete Sangalo: “Somos irmãos. Ele é meu braço direito. Tenho amor por ele e acho que tudo nele é único e especial. Dito, tem coisas na vida que são únicas e eternas. E você é uma delas. Te amo”.

Júnior Rocha é o produtor pessoal da cantora Margareth Menezes (Angeluci Figueiredo)

Mil e uma utilidades para MargarethJunior Rocha, 34, é o único dos entrevistados que acumula, além da função de produtor pessoal, a de stylist. Ele conheceu Margareth Menezes há cerca de 10 anos. Trabalhava na loja de shopping que vestia a cantora. Depois, foi convidado para fazer o styling e, em seguida, a produção pessoal. Ele cuida de todos os detalhes da vida da cantora. Até no babyliss ele se arranja, para garantir o volume dos cachos. Durante  três anos, chegou a conciliar a produção pessoal de Maga com a de Mariene de Castro. “Mas as agendas cresceram e não dava mais. É um trabalho que requer muito da gente”, diz Junior, que  cursou faculdade de Moda, mas teve que trancar por causa das viagens a trabalho. Ele acorda e dorme pensando nos compromissos de Margareth e em maneiras de tornar a rotina da cantora mais confortável. Até seu apartamento foi escolhido perto da casa da artista. “Vim para Itapuã porque Maga mora em Piatã. Se ela precisar, chego lá rápido”, explica o produtor, que tem um quarto na casa da cantora. A relação com a família também é bem próxima. “Aline, irmã dela, é uma grande amiga. Também gosto da mãe, dona Diva, do marido, Robson, dos irmãos, Osmar, Rita, César...”, conta Junior. Entre os perrengues, fala que já passou horas numa van que atolou, rumo a um show. “Os celulares não tinham sinal. Aí a produção local do show desconfiou e mandou carros buscarem a gente”, relembra o produtor. O que fazer para agradar a Margareth?  “Ela ama comida japonesa e jaca. E no camarim nunca pode faltar um espelho de corpo inteiro”, entrega Junior. Será que ela gosta? “Junior é uma pessoa pela qual tenho grande carinho e amizade. Ele é muito atencioso e está sempre atento às novidades”, diz a cantora. Tudo para o cacique

Depois de cinco anos como produtora pessoal de Daniela Mercury, Vanessa Angelim, 33 anos, pensava em mudar de carreira. Cogitava voltar a trabalhar em sua área de formação, a administração, para dedicar mais tempo à família. Mas Carlinhos Brown a chamou para conversar e a paixão pelo trabalho falou mais alto. “Não podia perder a chance de trabalhar com um dos maiores gênios da música. As canções dele fazem parte de minha vida”, explica a moça. Há três anos, ela cuida da agenda do cacique e acompanha o cantor em viagens, gravações, shows e provas de figurino. “Se ele precisa de qualquer coisa, é para mim que pede”, explica. Sua maior alegria é participar de projetos como CDs e DVDs. “Quando vejo o resultado, lembro do processo”, diz Vanessa. Ela curte também a confiança do chefe. Ano passado, em meio à conclusão do disco Marabô e as gravações do The Voice Brasil, a produtora estava apreensiva.

Até que Brown resolveu inverter os papéis por instantes: “Ele me disse que eu ficasse tranquila, pois daria tudo certo”, conta  Vanessa. “Carlinhos é um artista completo! Compositor, cantor, arranjador, produtor, artista plástico... Além de tudo é amigo e conselheiro”, diz a bela.Brown dá o maior valor: “Ela garante que fome eu não passo, amarrotado eu não vou pro show e que o aluguel tem tempo contado. Lembro do Réveillon, quando não tinha o que comer no hotel. Vanessa caminhou quilômetros na multidão para comprar nossa comida”, lembra Carlinhos, que fez questão de deixar uma mensagem: “Van, o Carnaval começa com seu aniversário. Vamos trabalhar duro e comemorar essa data e a sua competência de fazer minha alegria mais segura. Comigo você já sabe: é no chão, é no pé, é na mão. Parabéns!”. No ritmo do Lepo Lepo

Rodrigo Cseko, 34 anos,mais conhecido como Rodrigão, vem cortando um dobrado. É que no Verão do Lepo Lepo o Psirico tem feito entre dois  e três shows por dia, fora entrevistas. “Me formei em Gestão de Eventos, trabalhava na Penteventos e há sete anos surgiu a chance de ser produtor pessoal de Márcio”, conta. O que ele mais gosta na profissão é a falta de rotina. “Sempre tem coisa nova. Márcio Victor é novidade todo dia. É muita loucura, alegria e trabalho”, fala, aos risos, Rodrigo, que só se queixa das noites em claro. “De resto, é tudo lindo. Não tem como não gostar. Sabe o período de experiência de um trabalho normal, de três meses? Com produtor pessoal é três dias. Só dá para ficar com um cantor que você gosta muito”, explica. O grude tem dado certo. Tanto que Márcio e seus produtores – Rodrigão divide a lista de tarefas com dois colegas, Moisés e Rogério– costumam passar até férias juntos. Com uma galera tão enturmada, até se perder na estrada não soa tão mal.

“Uma vez, saímos de Belo Horizonte para fazer show em Pará de Minas. O motorista nos levou para Brasília de Minas. Chegando lá, nada de encontrar o contratante. Aí descobrimos que estávamos no lugar errado! Corremos e conseguimos chegar a tempo do show”, relembra o produtor. Ônibus, aliás, é o meio de transporte preferido de Márcio. “Ele prefere 18 horas de ônibus que duas de avião. E vai dormindo, às vezes 14 horas seguidas”, diz Rodrigão.Depois bate a fome. “Márcio gosta muito de torta de chocolate, feijoada, galinha caipira, peixe...”, revela. O esforço é reconhecido: “Tenho três anjos do meu lado. Rodrigão é engraçado e está sempre bem disposto. Nossa relação é forte como a batida do Psi. Somos uma família e eu não vivo sem eles”, diz Márcio.


*Matéria original Correio 24h:

Longe dos holofotes, produtores de Ivete, Margareth, Brown e Márcio Victor cuidam dos mínimos detalhes