Combate a Fake News

Conheça e saiba por que são falsas as principais teorias da conspiração sobre a Covid-19

Para desmitificar o tema, reunimos aqui as principais teorias da conspiração com o que é fato e o que é fake sobre o vírus

Especial de Conteúdo

Oferecimento
Um fato novo que afeta todo o mundo gera dúvidas e questionamentos, se torna um prato cheio para a circulação de informações inventadas. Com a pandemia do novo coronavírus não foi diferente. Além das inúmeras fake news relacionadas a supostas curas e prevenções ou que descredibilizavam o distanciamento social, por exemplo, o surgimento da covid-19 criou algumas teorias da conspiração.

Algumas, inclusive, ganharam tanta força que, para muitos, deixou de ser uma teoria para ser uma verdade. Para desmitificar o tema, reunimos aqui as principais teorias da conspiração com o que é fato e o que é fake sobre o vírus. Confira:

Bill Gates e o coronavírus

Uma das pessoas mais ricas do planeta, Bill Gates, fundador da Microsoft, tem virado alvo constante de teorias da conspiração sobre o surgimento do novo vírus. De acordo com a empresa de análise de mídia Zignal Labs, até abril deste ano, a conspiração envolvendo Gates e o vírus foi mencionada 1,2 milhão de vezes nas redes sociais e nas transmissões de TV. 

Tudo isso surgiu por conta de uma palestra, de 2015, na qual Gates afirmava que o grande risco para a humanidade não era uma guerra nuclear, mas um vírus que pudesse infectar e ameaçar a vida de milhões de pessoas. 

Por isso, há quem acredite que ele sabia da pandemia desde esta época e se beneficiaria por conta do financiamento de sua fundação, a Fundação Gates, ao grupo britânico Pirbright Institute, que teria a patente de uma vacina contra o coronavírus.

No entanto, a vacina citada pela teoria da conspiração não estava relacionada ao novo coronavírus, mas a um coronavírus diferente que afeta as aves.


Coronavírus criado pelo homem

Outra teoria da conspiração é que o novo coronavírus foi criado em laboratório pelo homem como uma arma biológica. Há diferentes versões da teoria, mas que envolvem Estados Unidos e China. Inclusive, as próprias autoridades dos países chegaram a trocar acusações sobre o tema.

A teoria é desmentida, no entanto, pela própria ciência. Por meio de mapeamento genético do patógeno, os cientistas já encontraram muitas evidências de origem natural. 

5G e a radiação são os culpados pelo coronavírus
Nessa teoria, que surgiu no Reino Unido, a internet 5G aumenta a velocidade do contágio do novo coronavírus, por meio da radiação. O boato ganhou força em abril e chegou ao ponto de defensores da teoria no país queimarem torres de sinais de operadoras. 

Quem acredita na teoria também afirma que o novo modelo de internet é capaz de reduzir a imunidade das pessoas e que “o coronavírus foi inventado para esconder os perigos do 5G.” 

No entanto, não há nenhum estudo que comprove a relação da internet 5G com a transmissão do novo coronavírus. Além disso, A Comissão Internacional de Proteção contra Radiação Não Ionizante (ICNIRP, sigla em inglês) confirmou que as frequências emitidas pelo 5G não afetam as pessoas.

Cura através de entorpecentes

Tudo começou quando o consultor de marketing nigeriano Bizzle Osikoya postou um tweet alegando que cocaína tem propriedades curativas, o suficiente para curar o coronavírus. Depois da declaração, a teoria da conspiração passou a envolver outros entorpecentes, como álcool e até mesmo água sanitária.

A informação, claro, é falsa. A Organização Mundial da Saúde (OMS) afirma que a cocaína e o álcool causam grande grau de dependência e afetam profundamente o corpo humano, causando e acelerando vários problemas, incluindo problemas no fígado e no coração. 

Além disso, não existe cura para a Covid-19 descoberta pelos cientistas até então. O que existe são algumas candidatas a vacinas passando por testes clínicos.