Combate às drogas

Quais as consequências e efeitos do uso de drogas para a saúde?

Para muitos, o primeiro uso pode virar uma dependência química, com efeitos para a saúde e convívio social

Especial de Conteúdo
- Atualizada em

Oferecimento
Uma sensação de bem estar, felicidade e coragem. É isso que o consumo de muitas drogas provoca. Justamente por esse fator é que elas são tão perigosas. Para muitos, o primeiro uso pode virar uma dependência química, com consequências e efeitos para a saúde e convívio social. 

Drogas são substâncias naturais ou sintéticas que possuem a capacidade de alterar o funcionamento do organismo. Nesse universo, existem as drogas lícitas, ou seja, aquelas legalizadas, como álcool, cigarro e medicamentos, como moderadores de apetite, por exemplo. E do outro lado estão as drogas ilícitas, no qual a venda e o consumo são proibidos, como a cocaína, a maconha, o crack, entre outras.

No entanto, vale destacar que, apesar de lícitas, drogas como álcool trazem grandes problemas. “O maior problema de saúde pública ainda é o consumo de álcool. Por isso, é importante que as autoridades e os profissionais de saúde estejam atentos sobre como tratar esse tipo de dependência. Se não abrirmos os olhos, tende a aumentar os casos de dependência de álcool. É necessário investir na saúde mental”, destaca a psicóloga e coordenadora do curso de psicologia da UniRuy, Susy Matos.

A opinião da psicóloga é reforçada pela Organização Mundial de Saúde (OMS). De acordo com o órgão, as drogas ilícitas respondem por 0,8% dos problemas de saúde em todo o mundo, enquanto o cigarro e o álcool, juntos, são responsáveis por 8,1% desses problemas.

Efeitos

Além da diferenciação das drogas lícitas ou ilícitas, há também, dentro desses grupos, as depressoras e as estimulantes. Uma droga depressora como a heroína, por exemplo, pode diminuir a capacidade de raciocínio e de concentração, aumento da sonolência, diminuição dos reflexos, entre outros.

Já as chamadas estimulantes, como crack e cocaína, provam intensa euforia, sensação de poder, muita energia, descontrole emocional e perda de noção da realidade, por exemplo.

Quando as pessoas estão sob efeito de entorpecentes, elas perdem um pouco da consciência, por isso não podemos dirigir quando bebemos, por exemplo”, explica a psicóloga.

“Quando estamos passando por algum estresse, isso (o consumo de drogas) pode sim aumentar os problemas emocionais, incitando um comportamento agressivo”, ressalta.

Dependência 

O consumo de substâncias químicas e alucinógenas é capaz de mexer com emoções e potencializar sentimentos. Dessa forma, para um dependente, tanto o consumo quanto a abstenção podem provocar alterações de humor e comportamento.

O contexto social e familiar do indivíduo também influencia nessas alterações, podendo transformar a agressividade em violência física. A violência relacionada ao uso de drogas também pode ser em relação a si mesmo, uma vez que o depende químico pode se ferir durante as crises.

Susy Matos, destaca que a dependência química é uma questão de saúde mental. “A saúde mental fica suscetível a qualquer substância que mude seu organismo e as drogas, lícitas e ilícitas, são substâncias que viciam e se enquadram nessa questão”, explica.

A profissional ressalta ainda que há diferença entre o usuário e o dependente. O que vai definir isso é a frequência do uso e a quantidade.