Coronavírus

Confira a previsão de entrega de cada vacina no Brasil até o fim do ano

Projeção, no entanto, é atualizada toda semana, e as quantidades podem sofrer alteração

Agência O Globo
- Atualizada em

O Brasil deve receber, de junho até dezembro deste ano, 501 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19, segundo projeção do Ministério da Saúde. De acordo com a previsão da pasta, atualizada em 16 de junho, serão entregues 37.948.181 doses este mês.

Em julho, o país deve receber 41.975.200 doses, em agosto e setembro 130.536.211, e no quarto semestre a previsão é de 291.119.500 doses.

A projeção, no entanto, é atualizada toda semana, e as quantidades podem sofrer alteração.

Os números de entregas, por exemplo, já foram mais altos. Na projeção anterior, atualizada no dia 9, seriam entregues mais de 504 milhões de doses de junho até o fim do ano. E segundo a estimativa atualizada no dia 3, seriam cerca de 530 milhões.

Em relação à projeção divulgada na semana passada, houve um aumento de cerca de 30 mil doses previstas da CoronaVac para o mês de junho.

As principais mudanças foram um aumento nas doses a serem entregues ao país em julho, e uma redução na previsão para agosto e setembro.

Em julho, a mudança ocorreu devido a antecipação de 7 milhões de doses da vacina da Pfizer/BioNTech.


“A previsão inicial era de que 8 milhões de doses chegassem em julho. Após conversas com a farmacêutica, o Brasil vai receber 15 milhões de doses no próximo mês”, informou o Ministério da Saúde, na quarta-feira

Para agosto e setembro, houve redução de 3 milhões de doses da vacina de Oxford/AstraZeneca, produzida no Brasil em parceria com a Fiocruz; de 30 mil na CoronaVac, produzida em parceria com o Instituto Butantan; e de 7 milhões do imunizante da Pfizer/BioNTech.

Segundo dados do consórcio de veículos de imprensa atualizados na quarta-feira, dia 16, em todo o país, 58.351.653 pessoas receberam a primeira dose de um imunizante contra a Covid-19, o equivalente a 27,56% da população brasileira.

A segunda dose da vacina, por sua vez, foi aplicada em 24.136.412 pessoas, ou 11,40% da população nacional.