Campus Party BA

Cosplays são 'atração' à parte na Campus Party Bahia

Grupo veio de Jequié para participar do evento e trouxe diversas fantasias para impressionar o público

Gabriel Lopes e Guinho Santos (guinho.santos@redebahia.com.br)
- Atualizada em

E aí você está de boa, andando e conhecendo a Campus Party, quando, de repente, se depara com pessoas fantasiadas. Esses são os cosplays, atração à parte do evento que acontece até este domingo (20), na Arena Fonte Nova. O trio Geovane Jesus, Rubem Andrade e Kennedy Melo veio de Jequié para participar da Campus e trouxe nas mochilas seus personagens favoritos.

"Quando você encontra uma pessoa fantasiada, você quer tirar uma foto com ela e ali dá a oportunidade de conhecer novas pessoas, fazer amizades, é meio que um network. Sem falar também que é emocionante você preparar um cosplay e vir em um evento", disse Geovane ao iBahia.

Foto: Gabriel Lopes/iBahia

Kennedy contou ainda que em Jequié, tem um evento especial para quem curte o universo do cosplay: "A gente participa desde 2012 do evento. Todo ano estamos lá. Neste ano, o campeonato acontece em setembro". A escolha para as fantasias, segundo eles, é algo muito pessoal. "A gente se veste muito do que a gente gosta. Eu mesmo gosto muito de Naruto, que é um anime que é mais fácil, por ser muito famoso. Cada um se veste do que quer, com o que mais se identifica", afirmou o estudante da Uesb.

Questionados sobre o custo para produzir os figurinos, eles preferiram não revelar. "Se você for fazer um cosplay e primeiramente pensar no custo, você não vai pra frente. A gente tem que ter amor ao que está fazendo, depois concilia com o dinheiro. Também não dá para investir tudo o que a gente recebe no cosplay. Tem coisas que dá pra fazer com o que tem em casa. Peruca, tecido, nós compramos pra fazer. Mas tem muito de reaproveitar também", explicou Geovane, que ainda disse não ter um retorno em relação ao financeiro: "tem campeonato com apresentações e eles dão dinheiro e premiações. Tem muita gente que dá valor a isso, dos prêmios. Tem gente que faz pra competir, mas eu faço porque eu gosto", disse.