Educação

Aulas devem ser retomadas no dia 18, diz secretário de educação de Salvador

Inicialmente, as aulas serão retomadas transmitidas através de canais de televisão

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)

Em entrevista ao CORREIO, o secretário de educação de Salvador, Marcelo Oliveira, afirmou que a retomada das aulas da rede municipal terão início no dia 18 de fevereiro. Para compensar os dias perdidos em 2020, as aulas serão, inicialmente, remotas de segunda à sábado.

Ainda segundo o secretário, o ensino será transmitido através da televisão. O objetivo é  ampliar a transmissão das aulas para quatro ou cinco canais de Tv aberta. No momento, somente os alunos do 6º ao 9º ano têm acesso às aulas pela TV aberta, no canal 4.2. Ainda não é previsão para o retorno presencial das aulas, mas a ideia é que, inicialmente, o ensino seja feito de forma híbrida (remota + presencial).

“Vamos recuperar as aulas que não foram dadas em 2020, porque os alunos precisam ter esses conteúdos, e, na sequência, a gente vai aplicar os conteúdos de 2021, de modo que a gente possa fazer dois anos em um só. A grande preocupação é não invadir o ano de 2022 com o conteúdo de 2021, se não, vira uma bola de neve”, explica o secretário Marcelo Oliveira.

De acordo com a apuração do CORREIO, no plano de retomada do ensino municipal constam 17 horas de ensino remoto e 25 horas de ensino presencial por semana, quando for possível, totalizando 42 horas semanais de ensino. Ao todo, serão 1492 horas cursadas em 2021. As tarefas de casa realizadas pelos alunos contarão como carga horário e irão servir pra controlar a presença dos estudantes

Ainda segundo o secretário, a previsão que é o ano letivo comece em maio ou pelo menos 90 dias depois do início das aulas presenciais. Um acordo foi realizado entre o governo e a prefeitura para que as aulas nas duas redes terminem em um mesmo período.

“Nossa intenção é que devemos concluir o ano de 2020 simultaneamente, se não nosso aluno fica sem aula ou então atrasado. Então tem que estar sincronizado”, disse  Marcelo Oliveira em entrevista ao CORREIO.