Tecnologia

Cinco conselhos jurídicos para quem deseja começar uma startup

Mas, antes de começar este tipo de negócios, existem algumas precauções jurídicas a serem tomadas

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)

Basta abrir a revista de negócios ou o jornal especializado mais próximo para perceber que existe um enorme destaque em torno das startups. O mercado para esse tipo de empreendimento está aquecido e o número de pessoas dispostas a desenvolver projetos nessa área é cada vez maior. Mas, antes de começar este tipo de negócios, existem algumas precauções jurídicas a serem tomadas. As dicas são do advogado Wagner Arnold Fensterseifer. 


1. Formalize corretamente o acordo entre os fundadores:

 

É importante deixar claro, desde o princípio, a participação de cada sócio no empreendimento, bem como os papéis que cada um exercerá e a forma como serão tomadas decisões conjuntamente. Para evitar problemas futuros, tudo deve ser formalizado. Não basta ter uma boa ideia, é preciso ter uma boa empresa.

 

2. Constitua legalmente sua empresa:

 

Startups, inclusive aquelas em fase pré-operacional, devem estar devidamente registradas (possuir CNPJ) e com tipo societário definido. Essa medida aumenta a credibilidade do empreendimento e protege o patrimônio pessoal dos sócios de eventuais dívidas da empresa, aumentando em muitos casos a possibilidade de acesso a fontes de financiamento.

 

3. Documente todas as receitas e despesas e recolha os tributos corretamente: 

 

Empreender no Brasil é um grande desafio, em que o registro contábil e a apuração dos tributos são importantes etapas. Entretanto, as startups que conseguem vencer essas etapas aumentam consideravelmente suas possibilidades de crescimento e perenidade. 

 

4. Esteja preparado para receber aportes de investidores:

 

Existem muitos investidores-anjo, fundos de investimento e grandes empresas dispostos a investir em startups. Ser escolhido por eles é o grande desafio. Seguir os conselhos acima, certamente aumentará suas chances. Conhecer a linguagem do mercado é fundamental: tenha projeções de receitas, conheça as perspectivas do setor para médio e longo prazo e, é claro, treine seu pitch incessantemente. Convém destacar a diferenciação do discurso quando o empreendedor consegue falar sobre a modelagem do negócio, inclusive nas dimensões tributária e societária. 

 

5. Avalie formas alternativas de começar o negócio:

 

Andar sozinho por muito tempo torna a caminhada mais difícil. Atualmente, é possível considerar alternativas que amenizam as agruras dos primeiros passos. Considere começar a empreender por meio de incubadoras, aceleradoras e/ou espaços de co-working. Também há a possibilidade de criar um projeto que conecte sua startup com uma média ou grande empresa (corporate venture), conforme a natureza da solução desenvolvida.