Eleições 2018

Ciro Gomes deseja sorte a Bolsonaro e fala em respeito ao conjunto da nação

Pedetista ressaltou que defesa da democracia não inclui 'forças com interesses mesquinhos'

João Paulo Saconi*, da Agência O Globo

O candidato do PDT à Presidência, Ciro Gomes , utilizou as redes sociais nesta segunda-feira, para cumprimentar o presidente Jair Bolsonaro , do PSL, pela vitória. No texto compartilhado, o pedetista defendeu que o recém-eleito exerça o mandato cumprindo as regras da Constituição Federal e com respeito às normas democráticas, promessa feita pelo próprio Bolsonaro no primeiro discurso após o resultado das urnas.

- Para mim, que cultivo a correção de conduta, impõe-se, também, desejar boa sorte ao presidente eleito Jair Bolsonaro para que ele possa fazer o melhor pela sofrida nação brasileira. Que execute o honroso mandato que a maioria dos brasileiros e brasileiras lhe outorgou dentro das regras da Constituição Federal e do estrito respeito às normas do Estado de Direito Democrático - escreveu Ciro, que deixou a disputa presidencial ao fim do primeiro turno, com 12,47% da preferência do eleitorado.

Além dos cumprimentos a Bolsonaro, o político também destacou que espera respeito do novo chefe do Executivo às parcelas minoritárias da sociedade brasileira:

- Que não pense o senhor presidente eleito, nem de longe, em violar o respeito que deve ao conjunto da nação, independentemente de configurarem minorias ou grupos sociais críticos às suas posturas. Só assim merecerá o respeito à autoridade que adquiriu nas eleições.

Ao destacar que pretende ocupar papel de oposição a Bolsonaro, principalmente se o presidente descumprir o respeito prometido às normas constitucionais, Ciro aproveitou para reforçar o tom crítico com que vinha se referindo ao Partido dos Trabalhadores desde que voltou ao Brasil na semana passada. A sigla esperava dele um apoio à candidatura de Fernando Haddad, o que não aconteceu e levou petistas a chamarem Ciro de "egocêntrico" .

Após ter dito após votar no segundo turno que não faria campanha ao lado do PT "nunca mais" , o pedetista não voltou a citar o partido nesta segunda-feira, mas enrrijeceu o discurso mesmo assim.


- Essa oposição que nasce não se confunde com forças que só defendem a democracia ao sabor de seus interesses mesquinhos ou crescentemente inescrupulosos ou mesmo despudoradamente criminosos - finalizou Ciro.

*estagiário sob supervisão de Daniel Biasetto e Madalena Romeo.