Mundo

Confira destinos para fugir da alta do dólar

Há opções para viagens no frio e no calor

Agência O Globo

O dólar fechou em R$ 3,47 nesta quinta (26/4), a primeira queda após cinco dias de forte alta. Apesar do recuo, que foi de 0,22%, a moeda acumula alta de 5,24% no mês de abril. Para os turistas, o valor pode significar mudança nos planos de viagens. A operadora CVC fez um levantamento de preços e selecionou destinos e programas para quem quer ir para o exterior fugindo da alta da divisa. Confira:

América do Sul
Chile, Argentina e Uruguai já são populares destinos no país, não apenas pela curta distância, mas também pela possibilidade de realizar programas diferentes, como esquiar. Além da facilidade na conversão direta para as moedas locais, Uruguai e Chile, por exemplo, isentam os turistas estrangeiros (que estejam há menos de 60 dias no país) do IVA – Imposto sobre valor agregado - nas diárias de hotéis.

Quem for esquiar em San Carlos de Bariloche, na Argentina, este ano, por exemplo, terá maior oferta de voos para chegar até lá, já que a Azul ampliará, a partir do dia 31/5, para três a sua oferta de voos semanais até a cidade.

Quem for para as montanhas chilenas também poderá aproveitar promoções. Na estação de Portillo, de 7 a 14 de julho, famílias que reservarem períodos de sete noites poderão levar duas crianças para esquiarem de graça. A estação Nevados de Chillán está com promoção de 20% a 30% para reservas efetuadas até 30/4.

México
Ir para o Hemisfério Norte e fugir do frio também é possível. A operadora indica Cancún, famosa cidade na costa mexicana, como uma opção mais econômica. O local é repleto de resorts all-inclusive, o que "evita que as famílias tenham gastos extras com alimentação no destino", afirma a empresa. A maioria ainda oferece hospedagem de graça para crianças até 12 anos.

Praia em Tulum, no México (Foto: Reprodução/Roberto Nickson)
África do Sul
Quer sair das Américas? As cidades na África do Sul também são opções viáveis para quem não pretende gastar muito. Atualmente um rand, moeda local, equivale a apenas 29 centavos de real. Serviços por lá, como passeios, transporte e alimentação ficam mais em conta. Além disso, brasileiros não precisam de visto, ou seja, uma despesa a menos.