#todosjuntos

Coronavírus: aplicativos de delivery adotam medidas para ajudar pequenos negócios

Entre as medidas anunciadas estão pagamentos diários pelos serviços utilizados, isenção de taxas e criação de fundo próprio de assistências aos pequenos negócios

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)
- Atualizada em

Com o isolamento social e o fechamento de restaurantes e bares em muitas cidades, inclusive Salvador, a opção dos empreendimentos do segmento se tornou o delivery. Diante dessa realidade, o Sebrae mobilizou os aplicativos de entrega delivery para ajudar pequenos negócios em tempo de crise. 

Foto: Divulgação / Agência Brasil

“Essa articulação do Sebrae, em nível nacional, é muito importante para os pequenos negócios. As medidas anunciadas pelos aplicativos devem contribuir para a sobrevivência de milhares de empreendimentos. Nesse momento, estamos atuando fortemente para reduzir os impactos da crise, mostrando também novas oportunidades de avançar, mesmo no cenário atual”, declara o diretor técnico do Sebrae no Piauí, Delano Rocha.

Entre as medidas anunciadas estão pagamentos diários pelos serviços utilizados, isenção de taxas e criação de fundo próprio de assistências aos pequenos negócios, além de lançamento de um guia com todas as informações para implantação de serviços delivery.

UBER EATS

A Uber Eats, por exemplo, anunciou na última segunda-feira (23), que vai possibilitar aos donos de pequenos restaurantes que recebam pagamentos diários pelas vendas realizadas, e não mais semanalmente. O objetivo é gerar maior fluxo de caixa para garantir a manutenção dos negócios e o pagamento de fornecedores e funcionários. 

No app da Uber, as micro e pequenas empresas do segmento de alimentação também serão isentas da taxa de retirada quando os clientes fizerem o pedido pelo aplicativo, mas optarem por buscar a refeição no restaurante (take away).

Além disso, para incentivar os consumidores a usar o serviço, a Uber Eats vai oferecer entrega grátis para quem fizer pedidos em restaurantes, considerados independentes (sem filiais), e vai intensificar as ações de marketing dos pequenos negócios, pelo próprio app e por e-mail, dando mais visibilidade aos empreendimentos locais. Os entregadores, por sua vez, vão receber ajuda financeira para comprar produtos de higienização, como álcool em gel.

Nesta semana, o Sebrae deve lançar conteúdos, em parceria com o IFood, para orientar os pequenos negócios na implementação do delivery, adequando o serviço aos procedimentos corretos e cuidados necessários para cumprir as fichas técnicas dos alimentos, com a definição de porções, dentre outras orientações.

O aplicativo também anunciou uma série de medidas para apoiar os pequenos negócios. A partir de 2 de abril, o IFood vai destinar R$ 50 milhões de sua receita na forma de um fundo de assistência a restaurantes, com foco nos pequenos estabelecimentos locais. O crédito será gerado por meio de isenção de taxas de intermediação dos serviços utilizados.

Para melhorar o fluxo de caixa, também antecipará os recebimentos dos restaurantes, sem custo adicional. Dessa forma, todo restaurante que optar por fazer parte dessa iniciativa, receberá seu pagamento em sete dias após a venda nos meses de abril e maio.

A expectativa é injetar até R$ 600 milhões no mercado brasileiro. E, para minimizar o impacto ocasionado pela restrição de atendimento, nos casos em que o consumidor optar por ordenar o pedido via aplicativo, retirando diretamente no balcão dos restaurantes parceiros, o IFood devolverá o valor integral arrecadado com as taxas de serviço aos estabelecimentos.