Economia

Dicas para se planejar e evitar problemas nas compras da Black Friday

Pesquisar desde já os preços é uma boa estratégia para não cair em falsos descontos e evitar estouro do orçamento

Agência O Globo

Produtos com descontos de até 80% fizeram com que a Black Friday - uma cópia da tradicional promoção americana - se tornasse uma febre no comércio nacional desde 2010. A um mês da próxima edição, que acontece no dia 24 de novembro, especialistas recomendam que os consumidores redobrem os cuidados para não cair em armadilhas nem ter seus direitos violados. Problemas de entrega , falsos descontos e descumprimento de ofertas são os principais motivos de reclamações que chegam aos órgãos de defesa do consumidor após a megapromoção.

Foto: Thinkstock / Reprodução

Exatamente por conta dessas promoções com descontos "imperdíveis" e das ações das lojas para alavancar as vendas, muitos consumidores deixam para a última sexta-feira de novembro a realização de uma compra mais importante ou, até mesmo, a antecipação de alguns presentes de Natal. Mas vale ressaltar que é importante fazer um planejamento cuidadoso para o consumidor não se endividar. De acordo com um levantamento feito pela Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), estima-se que o e-commerce terá crescimento de 12% este ano, em comparação com 2016, e faturamento de R$ 59,9 bilhões.

Confira abaixo algumas dicas para evitar problemas nas compras da Black Friday:

Pesquisa de preços

A partir do momento em que o cliente decide aproveitar as ofertas da Black Friday, deve fazer uma lista dos produtos que pretende comprar e monitorar os preços destes itens ao longo das próximas semanas. Isso porque, segundo o Procon-SP, muitos fornecedores aumentam o preço uma semana ou dias antes e colocam o valor que já vinha sendo praticado como se fosse uma oferta. A pesquisa de preços vale tanto para os sites como para as lojas físicas.

O Procon-SP orienta ainda que, ao fazer a pesquisa, o consumidor print a tela com a demonstração do produto e o valor de compra, e também com informação do link, nome da empresa, data e hora em que foi feita a pesquisa. Guarde também folhetos com as promoções. Assim será mais fácil identificar as melhores ofertas e conferir os descontos durante a Black Friday.

Problemas recorrentes

No ano passado, o Procon-SP recebeu, em uma semana, 1.638 reclamações e 402 pedidos de orientação sobre a Black Friday. A empresa mais reclamada foi a Adidas, com 482 queixas. Os principais problemas verificados, segundo o supervisor de Fiscalização do órgão, Bruno Teleza, foram a impossibilidade de o consumidor finalizar a compra, ou porque a página caia ou porque o produto não entrava no carrinho, e mudança de preço na hora da finalização da compra. Outro problema foi o cancelamento da compra por parte do fornecedor sem nenhum aviso prévio ao consumidor. Teleze ressalta que uma reclamação recorrente em todos as edições da Black Friday é a maquiagem de preço, quando a empresa sobe o valor do produto na véspera e baixa no dia da Black Friday como se fosse uma oferta.

Foto: Reprodução
Planejamento
Faça um planejamento, listando os produtos que precisa ou deseja e estipule um limite de gasto para não estourar o orçamento no fim de ano.

Nesse planejamento, vale incluir não só os gastos previstos para o fim de ano e os limites dos presentes que pretende dar no Natal, mas também os do início do novo ano, incluindo impostos e matrícula e mensalidades escolares. Isso vai auxiliar no controle das despesas e evitar que o consumidor fique endividado.

Economista do Idec, Ione Amorim aconselha que, antes de realizar qualquer compra, o primeiro passo é verificar a necessidade do produto/serviço e se a promoção é realmente vantajosa. Caso já tenha se planejado e poupado para esta data, que acontece anualmente, o consumidor deve optar para comprar à vista para não comprometer o orçamento financeiro dos próximos meses, aconselha Reinaldo Domingos, doutor em educação financeira.

Sites estrangeiros
Verifique se o site é brasileiro. Cuidado com os que são “. com”. Compras de sites internacionais estão sujeitas a outros custos nem sempre informados ostensivamente (procure informações sobre o site na aba “Quem somos/sobre nós”). Além disso, as regras do Código do Consumidor não se aplicam nesse caso, se o site não possuir representantes no Brasil.

Parceiros
Há sites de grandes varejistas que “hospedam” a página de parceiros. Em muitos casos, para o consumidor não fica claro de quem ele está fazendo a compra e, em caso de problema, a quem reclamar. Segundo especialistas, no entanto, em caso de descumprimento de oferta, tanto o site hospedeiro como os parceiros responderão solidariamente pela reparação dos danos. Para Fátima, do Procon-SP, a responsabilidade do site que hospeda é total, como se a venda do parceiro fosse realizada por ele, pois é o site que viabiliza a comercialização e participa da oferta.

Sites falsos

Em épocas de grandes promoções, há uma maior incidência de sites falsos e de e-mails que tentam se aproveitar do aumento de transações para ludibriar o consumidor. Uma boa dica é consultar a lista do Procon-SP, com cerca de 500 sites que devem ser evitados. A Camara-e.net destaca que deve-se ficar alerta a sites que não aceitam cartão de crédito, apenas boleto, pois, neste caso, se houver fraude, não se conseguirá reaver o valor pago. A compra com cartão dá mais segurança, pois o site passa pelo crivo da administradora. É importante verificar a reputação do fornecedor. No ano passado o Procon-SP divulgou os nomes das empresas mais reclamadas na última Black Friday.

Foto: Reprodução

Entrega

O prazo prometido para entrega tem de ser cumprido. Se não for, o consumidor pode pedir o cancelamento da compra, se assim o desejar, alerta o Procon-SP. É importante documentar-se: salvar ou imprimir todas as páginas em que navegou no site ou guardar folhetos de ofertas e nota fiscais de lojas físicas, por exemplo. Ao acionar os órgãos de defesa, esses arquivos digitais e a papelada servirão para comprovar os prazos. Mas se os produtos são para o Natal, lembre-se que a demanda é alta e há risco de ficar sem o presente a tempo.

Questões de troca

Verifique sempre a política de cada empresa, pois a troca ou cancelamento da compra de produtos sem defeito não é obrigatória. Se a loja oferece o benefício, no entanto, tem que cumpri-lo. Para tanto, exija informação clara e ostensiva. Não há lei que determine onde o prazo de troca deve ser informado, mas o consumidor pode solicitar que a data e demais condições estejam escritas na etiqueta, no contrato ou na nota fiscal. O importante é documentar este prazo e as demais condições.

Direito de arrependimento

Vale lembrar que, sempre que um consumidor adquirir um produto ou contratar um serviço fora do estabelecimento comercial, seja por site, catálogo ou telefone, pode, em sete dias corridos — a contar da data da aquisição, contratação ou do recebimento do produto — desistir da negociação, sem nenhum ônus.

Foto: Reprodução
Promoções recebidas por email

Ao receber um e-mail com promoções, atenção ao remetente. Os ataques de phishing (usados para capturar dados do consumidor) costumam fraudar o internauta, utilizando e-mails inexistentes e domínios que embora pareçam com o original não têm relação com a empresa que supostamente o está enviando. Desconfie se houver preços muito abaixo da média, pois pode ser um indício de que há uma fraude por trás, ressaltam os especialistas.

Segurança dos sites
Antes de comprar on-line, verifique se o site da loja informa endereço, telefone fixo ou filial física. Outro cuidado é em relação à conexão segura: confira se na página há um ícone de cadeado, que deve estar ativo. Ao clicar no ícone (cadeado), uma janela mostrará as informações da página e da empresa. Lojas com os selos Black Friday Legal — programa da camara-e.net criado para dar credibilidade à promoção — já passaram por essa checagem.

Falsos descontos

Entre as irregularidades que mais incomodam os consumidores durante a Black Friday, está a elevação de preços nas vésperas da liquidação para simular descontos maiores. Por isso, é importante monitorar os valores dos produtos. Há sites de comparação de preços que oferecem a oscilação por períodos de mais de um mês, o que pode ser útil para verificar a veracidade do desconto. Os Procons também fazem monitoramento de alguns produtos e sites. O Procon-SP já iniciou este trabalho de monitoramento para conferir o cumprimento das ofertas que serão anunciadas para o dia de promoções.