Economia

Empresa aérea processa passageiro que ‘fugiu’ de voo; entenda o caso

Prática consiste em aproveitar promoções em voos com escalas quando o interesse é descer em uma dessas paradas, sem chegar ao destino final da passagem

Agência O Globo

Um processo judicial movido por uma companhia aérea contra um passageiro pode fazer com que algumas pessoas pensem duas vezes antes de tentar economizar no próximo voo. Isso porque a empresa alemã Lufthansa quer compensação de um passageiro que deixou de fazer o último trecho de uma viagem, uma tática comum para conseguir tíquetes mais baratos.

A prática consiste em aproveitar promoções em voos com escalas quando o interesse é descer em uma dessas paradas, sem chegar ao destino final da passagem, explica a CNN. Por exemplo, alguém interessado em ir de Porto Alegre para São Paulo compra uma passagem mais barata para Brasília, com escala na capital paulista, onde desce e não faz a conexão final.

O problema é que as aéreas dizem que esta prática fere seus termos e condições. Por isso, a Lufthansa quer 2.112 euros (quase R$ 9 mil) em compensação do passageiro que, segundo documentos judiciais citados pela CNN, tinha uma voo da empresa de Seattle, nos Estados Unidos, para Oslo, na Noruega, com escala em Frankfurt, na Alemanha. Só que, ao descer em Frankfurt, ele pegou um voo para Berlim, em vez de concluir o trecho comprado.

De acordo com o site da revista "Fortune", o passageiro, cuja identidade não foi revelada, gastou ao todo 657 euros com o esquema de passagens, e a empresa aérea afirma que ele deveria ter pago 2.769 euros. Por isso a companhia busca a diferença nos valores mais juros.

Uma Corte mais baixa já deu uma decisão contrária à Lufthansa no caso, mas a empresa afirmou à CNN que está recorrendo.