Tecnologia

Falha no game Fortnite põe jogadores em risco, dizem pesquisadores

Segundo empresa de segurança, vulnerabilidade daria a hackers acesso a contas e conversas dos aficionados pelo jogo

Agência O Globo

Uma falha no Fortnite, da Epic Games, abriu as contas de milhões de usuários ao risco de um ataque mal-intencionado, disseram pesquisadores da Check Point Software Technologies em relatório nesta quarta-feira. A vulnerabilidade no processo de autenticação permitia que hackers enviassem um link aos jogadores que, se clicado, dava acesso a contas de usuários para a compra de moeda virtual e aquisição de equipamentos no jogo — que poderiam ser transferidos posteriormente para outra conta e revendidos. Os hackers também teriam acesso a conversas dos jogadores com amigos, o que poderia ser usado para explorar os donos da conta, em geral jovens de menos de 18 anos.

(Foto: Epic Games / Divulgação)

A Epic Games corrigiu a falha recentemente, informou a empresa israelense de segurança cibernética. A Epic Games não pôde ser encontrada imediatamente para comentar, mas há um patch (atualização), que ofereceu novas armas e correções de bugs, detalhado em seu website. Não está claro se a vulnerabilidade chegou a ser explorada.

“Não é preciso dizer que, juntamente com essa enorme invasão de privacidade, os riscos financeiros e o potencial de fraude são vastos”, afirmou a Check Point. O chefe de Pesquisa de Vulnerabilidade de Produtos da empresa, Oded Vanunu, disse que seus filhos de seis e de nove anos jogam Fortnite, assim como milhões de crianças em idade escolar em todo o mundo.

— Seus filhos estão jogando um jogo em que as pessoas podem ouvir o que eles estão fazendo — disse Vanunu. —A criança pensa que está conversando com um garoto de 12 anos, mas está falando com adultos que poderiam dizer ’me envie uma foto disso e eu lhe darei esta arma".

Em junho, o Fortnite era jogado por 125 milhões de pessoas e estava a caminho de gerar US$ 2 bilhões para a Epic Games. O jogo gira em torno de uma batalha caricatural com um único sobrevivente na qual os jogadores lutam por armas e recursos. É gratuito e está disponível em diversos dispositivos, de telefones celulares a consoles de videogame.

A produtora Epic ganha dinheiro com o Fortnite cobrando dos jogadores pelos itens decorativos, como fantasias e adereços. Em outubro, a Epic levantou US$ 1,25 bilhão com um grupo de investidores que incluiu KKR, Vulcan Capital e Kleiner Perkins, em acordo que avaliou a empresa de capital fechado em US$ 15 bilhões.