Tecnologia

Ferramentas para vendas: entenda as vantagens de cada uma para impulsionar o seu negócio

Site, redes sociais e podcast podem ser utilizados para atrair público e manter relacionamento com clientes

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)

Nos últimos meses muitos empreendedores se viram obrigados a migrar seus negócios para o mundo digital e, cada vez mais, a comunicação tem se mostrado fundamental para a sobrevivência dos empreendimentos, na internet e fora dela. No entanto, ainda há muitas dúvidas sobre em que tipo de investimento fazer, qual ferramenta escolher e como atuar. Tendo isso em vista, associados da AJE Bahia (Associação de Jovens Empreendedores) dão dicas para quem pretende se aventurar ou já está nesse universo.  

Maria Brasil, Presidente da AJE, acredita que a comunicação é a base fundamental de qualquer empresa, para conseguir levar sua mensagem para um número cada vez maior de pessoas. “Muitas vezes o erro do empreendedor é querer apenas ir comunicar sem ter a mensagem bem definida. O primeiro passo para quem deseja iniciar uma presença através do meio digital é: ter essa narrativa muito bem construída, para que assim você consiga chegar no seu cliente e ter mais resultado”, afirma.  

Site 

Para Luciano Navarro, diretor de projetos da Maqhin, o site é algo essencial para uma empresa. “Você não ter um site é quase como você não existir”, acredita. De acordo com ele, a grande vantagem de um site ou e-commerce é ter uma abrangência muito maior em termos de mercado. É possível realizar vendas para além da cidade na qual se está inserido e essa venda não necessariamente precisa ser um produto, mas consultoria, serviço, qualquer tipo de negócio.  

Ainda segundo ele, um site é um investimento de médio e longo prazo. “Logo no início, o site não vai gerar engajamento nas pesquisas que são feitas através de buscadores.  É preciso investir em SEO, para que ele apareça entre os primeiros links, e atualizar a página constantemente”, explica. Além disso, o site também vai influenciar no nível de confiança que as pessoas terão na sua empresa. “Se você tem um site muito defasado, quando o seu usuário entrar, vai pensar que a empresa está abandonada, já que o site está feio. As pessoas não vão querer comprar nesse lugar”, comenta. 

Para aquelas pessoas que querem investir na presença online, Luciano sugere procurar alguma associação, como a AJE, ou uma instituição de confiança para tirar dúvidas. O microeempreendor pode tentar, por si mesmo, fazer um site de qualidade, mas caso não tenha conhecimento para isso, o ideal é investir em um profissional da área.  

Redes Sociais  

Meio mais barato e acessível, as redes sociais têm sido a grande aposta de muitos empreendedores. Para Rumenil Pimentel, Relações Públicas e associado da AJE, é muito importante estudar os canais em que se desejar criar uma presença, seja uma rede social ou não. 

“Algumas empresas mantêm suas relações comerciais e de relacionamento muito bem apenas no offline. Porém, o digital é grande janela para expansão do seu negócio. Então, acredito que todas elas podem encontrar caminhos frutíferos nesse espaço”, afirma. No entanto, segundo ele, “é preciso saber que não basta ter um perfil e postar de qualquer maneira, faz-se necessário um plano de atuação”.  

Para Rumenil, definir a persona da marca e também a do cliente é primordial. “Saber quem está falando e para quem se fala é algo que facilita muito a preparação de conteúdo e atuação em qualquer rede social. Além disso, planejar seus conteúdos, acompanhar o desempenho de tudo que você posta e se mostrar sempre aberto a dialogar com o seu público são pontos de atenção que toda marca deve ter ao iniciar uma presença digital”, aponta. 

Podcast 

A utilização de podcasts com um fim comercial, para relacionamento com o público e vendas, ainda é algo novo, mas de acordo com Renan do Vale, produtor na L Assessoria Podcast, esse cenário está começando a mudar. “Na Bahia existem poucas empresas que produzem podcast com o fim de atrair público. A maioria tem como objetivo ter mais um canal para se comunicar com o cliente”, afirma.  

Ele acredita que uma possibilidade dessa ferramenta, está na produção de conteúdo informativo e educativo. “O podcast pode ser utilizado, não para vender a empresa em si, mas falar do produto ou serviço que oferece: qual é o seu diferencial, falar sobre o ramo, trazer especialistas ou sobre o uso daquele produto no dia a dia”, explica. 

No entanto, para ele ainda não é possível mensurar o retorno que esse tipo de investimento pode dar. “ É um tiro no escuro, assim como todas as redes sociais. Quando surge uma mídia nova, é sempre bom estar presente, mas não estar por estar, e sim ter um conteúdo de qualidade para entregar. Com certeza você vai alcançar um público, mas o retorno em vendas, só com tempo para analisar se foi efetivo”, pontua.