Cinema

Festival de documentários musicais começa nesta terça (03) em Salvador

Evento permanece até domingo (08) e chega a sua 10ª edição brasileira, e 6ª em Salvador

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)

Nesta terça-feira (03), comeã o In-Edit Brasil - Festival Internacional do Documentário Musical, na Sala Wlater da Silveira. O evento permanece até domingo (08) e chega a sua 10ª edição brasileira, e 6ª em Salvador. O festival surgiu em Barcelona e realiza mostras em países como Chile, Argentina, México, Alemanha, Colômbia e Grécia. A programação tem curadoria de Marcelo Aliche e conta com 22 filmes, feira de vinil, masterclass e show.

Foto: Divulgação

A sessão de abertura (03 de julho, 20h) traz o filme vencedor da Competição Brasileira de longas, realizada na edição paulista do festival, que aconteceu entre 7 e 17 de junho. Fevereiros, de Marcio Debellian, mostra relação de Maria Bethânia com o carnaval, desde sua infância em Santo Amaro da Purificação (BA) até a homenagem da escola de samba Estação Primeira de Mangueira, em 2016. O filme representará o Brasil na edição do In-Edit Barcelona, em outubro.

Confira os filmes que estarão na programação: 

ADONIRAN - MEU NOME É JOÃO RUBINATO

Diretor: Pedro Serrano

Brasil / 92 min. / 2018 / Português

Adoniran Barbosa conquistou o Brasil com seu samba melancólico e “mal falado”. Boêmio convicto, conheceu personagens pictóricos, cantou suas mazelas e encheu de poesia a periferia paulistana. Mas Adoniran era também um artista de mil faces. Na televisão, no cinema ou na rádio, ele deu vida a muitos personagens e foi um nome presente na cultura brasileira. Para contar sua trajetória, amigos, parentes, companheiros de trabalho e de copo dão suas versões de histórias que raramente coincidem, como o samba na casa do famoso “Arnesto”.

Sexta, 06 de julho, 16h.

 

ARTHUR MOREIRA LIMA - UM PIANO PARA TODOS

Diretor: Marcelo Mazuras

Brasil / 83 min. / 2018 / Português

Arthur Moreira Lima é um pianista excepcional. Atuou nos palcos mais importantes do mundo, tocou com as Filarmônicas de Leningrado e de Moscou e com as Sinfônicas de Berlim e de Viena, entre tantas outras, sob a regência de grandes maestros como Kurt Sanderling, KiriIl Kondrashin, Mariss Jansons e Jesus Lopez-Cobos. Já sem a necessidade de brilhar nas grandes casas de espetáculos do mundo, hoje o pianista percorre o interior do Brasil a bordo de dois caminhões, levando a música erudita aos cantos mais esquecidos do País e democratizando o acesso à sua arte.

Sábado, 07 de julho, 16h.

 

ASFALTO – 25 ANOS DE DEAD FISH 

Diretor: Marcos Okura, Caio Rodriguez

Brazil / 104 min. / 2017 / Português

A banda capixaba Dead Fish é hoje a grande referência do hardcore melódico brasileiro. Com seus 25 anos de estrada, sua formação já mudou diversas vezes, mas seu espírito questionador e combativo continua intacto. Para contar essa história cheia de altos e baixos estão os membros fundadores, integrantes eternos, fugazes e momentâneos, além de produtores e gente próxima ao grupo. Repleto de material de arquivo inédito, Asfalto - 25 anos de Dead Fish oferece um panorama completo de uma vida dedicada à música.

Sábado, 07 de julho, 18h.

 

BADI

Diretor: Edu Felistoque

Brasil / 85 min. / 2017 / Português e Inglês

O filme "Badi" de Edu Felistoque, observa a trajetória pessoal e a carreira internacional da cantora, violonista e compositora Badi Assad. Do clássico ao pop, Badi com seu violão caminha pelos cômodos do universo musical extremamente masculino, se reinventando a todo momento e enfrentando os desafios com leveza - incluindo as pressões por pertencer a uma família de virtuosos músicos e os seus próprios limites criativos. Badi faz do "limão uma limonada" com as críticas, com as próprias reconstruções. Essa gentil e forte mulher, com seu processo de criação próprio e enorme talento, não tem medo de "mergulhar" e ganhar o mundo sem deixar de ser quem é: uma garota simples do interior de São Paulo, Brasil, que valoriza não o sucesso estridente e sim as simples emoções da arte e da vida.

Quarta, 04 de julho, 16h.

 

CHAVELA

Diretor: Catherine Gund, Daresha Kyi

México, Espanha, Estados Unidos / 90 min. / 2017 / Espanhol, Inglês

A cantora mexicana Chavela Vargas teve uma história e tanto. Cantou como ninguém as canções populares de seu país, viveu grandes paixões, viajou para todos os cantos e derrubou uma legião de homens bebendo tequila para ficar com suas esposas. Entrou no esquecimento, voltou aos palcos quase incógnita e foi relançada ao mundo por nada mais, nada menos que Pedro Almodóvar. Chavela é um mito da canção latino-americana e uma lenda do feminismo. Neste filme, ela repassa sua trajetória e conta casos incríveis.

Quinta, 05 de julho, 20h.

 

DÊ LEMBRANÇAS A TODOS

Diretor: Irmãos Di Fiore

Brasil / 73 min. / 2018 / Português

Dorival Caymmi – junto com Jorge Amado – foi um dos inventores do imaginário baiano. Suas músicas, repletas de referências ao mar e a pessoas de sua terra, cativaram o público pela simplicidade e beleza e o transformaram num personagem mitológico. Em seus 94 anos de vida, Caymmi compôs, cantou, escreveu, ilustrou e pensou sua Bahia, mesmo longe dela. Seus familiares, parceiros, amigos e fãs relembram os detalhes de sua história, que o transformou em um dos pilares da cultura brasileira.

Domingo, 08 de julho, 18h.

 

DONA ONETE - FLOR DE LUA

Diretor: Vladimir Cunha

Brasil / 71 min. / 2018 / Português

Dona Onete tornou-se um grande nome da música popular brasileira nos últimos anos, mas sua vida não foi nada fácil. Depois de um relacionamento abusivo, ela libertou-se das amarras e começou a cantar. O filme de Vladimir Cunha registra um show de Dona Onete e uma série de entrevistas com a personagem que não esconde nem charme, nem talento.

Sexta, 06 de julho, 14h.

 

DZIMBA DZE MABWE - CASA DE PEDRA

Diretor: Luiza Gannibal

Brazil, Zimbabwe / 62 min. / 2017 / Inglês e Português (English and Portuguese)

Mbira é um instrumento ancestral do povo Shona, comunidade pertencente à família etnolinguística Bantu, no Zimbábue. Para conhecer melhor seus sons e sua história, Luiza Gannibal e Fábio Mukanya Simões mergulham de cabeça no assunto para descobrir como funciona o instrumento, as diferentes afinações, os luthiers mais destacados e, claro, os mestres musicais.

Quinta, 05 de julho, 14h.

 

ETHIOPIQUES - REVOLT OF THE SOUL

Diretor: Maciej Bochniak

Polônia / 70 min. / 2017 / Inglês

Em 1997, o jornalista e produtor francês Francis Falceto lançou no mercado a série de discos Ethiopiques, um projeto que recupera a memória da música etíope e apresenta ao mundo sua grande diversidade. Em parceria com o produtor Amha Eshete, que entre 1969 e 1975 produziu 120 singles e 14 álbuns com músicos locais, Falceto lançou mais de 30 títulos e continua alegrando as pistas de dança do mundo inteiro. Neste filme, conhecemos um pouco da história da música etíope, suas diferenças, seus protagonistas, seus sons e seu ritmo contagiante mesclado com o soul, o funk, o rock e o jazz.

Domingo, 08 de julho, 20h.

 

FEVEREIROS

Diretor: Marcio Debellian

Brasil / 74 min. / 2017 / Português

A relação entre Maria Bethânia e o carnaval é notória. Desde sua infância em Santo Amaro da Purificação (BA), a cantora sempre cultuou essa festa, que marcou sua formação. Em 2016, a escola de samba Estação Primeira de Mangueira rendeu-lhe uma grande homenagem e acabou ganhando o título, após um jejum de 13 anos. Nesse processo, Bethânia recorda suas primeiras festas e também a importância da espiritualidade em sua vida.

Terça, 03 de julho, 20h.

 

GRACE JONES: BLOODLIGHT AND BAMI

Diretor: Sophie Fiennes

/ 116 min. / 2017 / Inglês

Desde o início de sua carreira, Grace Jones sempre foi um ícone. Seja na moda, no cinema ou na música, a artista jamaicana sempre impôs sua forte personalidade em tudo o que fez. Mas quem é a mulher que está por trás do personagem? Para desvendar esse enigma, a diretora Sophie Fiennes acompanhou Grace Jones durante vários anos, invadindo reuniões familiares, gravações de discos, sessões de fotos e sua casa em Paris. Mas ainda assim, a magia permanece intacta.

Sábado, 07 de julho, 20h.

 

INAUDITO

Diretor: Gregorio Gananian

Brasil / 88 min. / 2017 / Português e Chinês

O guitarrista Lanny Gordin é um dos personagens fundamentais na transformação da música brasileira a partir da década de 1960: eletrizou Gal Costa, Gilberto Gil, Caetano Veloso, Jards Macalé, entre outros. Neste filme, dirigido por Gregorio Gananian e com criação de Danielly O.M.M, Lanny nos revela o seu processo libertário de composição e pensamento atual: o guitarrista embarca em uma insólita odisseia pela China, local de nascimento, e Brasil, país onde vive.

Quarta, 04 de julho, 18h.

 

MAESTRINA DA FAVELA

Diretor: Falani Afrika

Brasil, Estados Unidos / 82 min. / 2018 / Português

Elem Silva dirige sozinha desde criança um grupo de percussão infantil no Pelourinho, Salvador (BA), a banda Meninos da Rocinha do Pelô. Neste filme, a diretora afro-americana Falani Afrika acompanhou Elem durante dez anos. Durante todo esse tempo, ela viveu momentos intensos como a morte da mãe, de alguns integrantes de sua formação e a transformação de seu bairro. Mas nunca perdeu o sonho de se tornar maestrina e melhorar a autoestima das pessoas que lhe rodeiam, de maneira autônoma e extremamente engajada.

Quarta, 04 de julho, 14h.

 

MEU TIO E O JOELHO DE PORCO (MY PUNKLE)

Diretor: Rafael Terpins

Brasil / 76 min. / 2017 / Português

Rafael Terpins é sobrinho de Tico Terpins, integrante da banda Joelho de Porco e uma das figuras mais inquietantes da cena musical brasileira dos anos 1970 e 1980. Aqui, ele conta a relação que tinha com seu “tio roqueiro” e a trajetória artística e profissional de seu ilustre parente. Dos primórdios do grupo ao refúgio na publicidade, passando por momentos obscuros e a amizade com Zé Rodrix, o filme traz um visão ampla sobre Tico e a genialidade do personagem.

Sexta, 06 de julho, 18h.

 

MY LIFE STORY

Diretor: Julien Temple

Reino Unido / 96 min. / 2017 / Inglês

O músico inglês Suggs, vocalista da banda de ska Madness, criou um espetáculo teatral para contar a história da sua vida. Acompanhado por um pianista, o artista repassa sua infância, os primeiros anos de banda e os altos e baixos de sua carreira. Nesse contexto, o diretor Julien Temple registrou o show com várias câmeras e fez sua própria leitura das histórias contadas pelo músico. O resultado é um filme criativo e divertido, cheio de histórias engraçadas e canções que reinaram nas rádios dos anos 1980.

Sexta, 06 de julho, 20h.

 

O FABULOSO ZÉ RODRIX

Diretor: Léo Cortês

Brasil / 82 min. / 2017 / Português

O multi-instrumentista, escritor e publicitário José Rodrigues Trindade, o Zé Rodrix (1947-2009), foi uma das figuras mais inquietas do mundo musical e artístico brasileiro. Responsável por vinte discos, três trilhas sonoras para filmes, inúmeros projetos teatrais e jingles comerciais, Zé Rodrix participou do icônico grupo Som Imaginário, fez parte do Sá, Rodrix & Guarabira e do Joelho de Porco, além de ter tido uma carreira solo de sucesso. Amigos, familiares e parceiros dão sua versão dos fatos.

Quinta, 05 de julho, 16h.

 

SMETAK

Diretores: Simone Dourado, Mateus Dantas, Nicolas Hallet

Brasil / 96 min. / 2018 / Português

Walter Smetak foi um violoncelista, compositor, inventor de instrumentos musicais, escultor e escritor suíço. Em 1957 foi convidado pelo compositor alemão Hans Joachim Koellreutter a ir para Salvador (BA) para integrar os Seminários Livres de Música e acabou ficando. Seu trabalho e suas pesquisas foram fundamentais para a Tropicália e movimentos de vanguarda e tem admiradores no mundo inteiro. O filme fala dos novos caminhos de pensamentos nas artes e na filosofia os quais Smetak abriu como alquimista contemporâneo. Sua produção musical como veículo para alcançar novos planos de consciência e sua convivência com o esoterismo e as ciências ocultas.

Quarta, 04 de julho, 20h.

 

ULTRAJE

Diretor: Marc Dourdin

Brasil / 92 min. / 2018 / Português

Nos anos 1980, a banda Ultraje a Rigor invadiu as rádios, as TVs e a vida do brasileiro com seu rock bem humorado e recheado de críticas. Era fim da ditadura militar e época da campanha “Diretas Já”. Começava assim a trajetória de um dos nomes mais reconhecidos na cena musical nacional das últimas décadas. Neste documentário, o diretor Marc Dourdin faz uma panorâmica da carreira da banda e em especial de seu líder, Roger Moreira, com detalhes surpreendentes sobre a intimidade do grupo.

Quinta, 05 de julho, 18h.

 

VINIL, POEIRA E GROOVES

Diretor: Diego Casanova

Brasil / 70 min. / 2018 / Português

Quem deu por morto o disco de vinil nos anos 1990 realmente não pode vangloriar-se de ser uma pessoa de visão. Três décadas depois de sua “morte”, o vinil hoje move uma economia poderosa. Novas fábricas, selos, lojas, mercenários caçadores de raridades, colecionadores, DJs e todo um complexo ecossistema gira a 33 rpm em volta dessa renovada indústria. Neste filme, conhecemos o mercado brasileiro e seus protagonistas para entender a dimensão de um universo que mistura sons, dinheiro e paixão.

Domingo, 08 de julho, 16h.

 

VOCÊ NÃO SABE QUEM EU SOU

Diretor: Alexandre Petillo, Rodrigo Cardoso, Rogério Corrêa

/ 120 min. / 2018 / Português

Nasi sempre foi um cara controverso. Desde seus tempos de Ira! nos inícios dos anos 1980, seu nome figura entre os mais talentosos e também mais encrenqueiros da cena brasileira. O diretor Alexandre Petillo acompanhou o artista durante quatro anos para tentar entender o personagem. Dentro desse período de tempo, podemos ver o fim da sua fase mais “agressiva”, o início da era “paz e amor” e o duro processo que o levou a fazer as pazes com seu parceiro  Edgard Scandurra.

Domingo, 08 de julho, 14h.

 

XTC: THIS IS POP

Diretor: Roger Penny, Charlie Thomas

Reino Unido / 75 min. / 2017 / Inglês

Os diretores Roger Penny e Charlie Thomas nos convidam para um passeio pela trajetória da banda de pop rock britânica XTC, que apareceu para o grande público em plena ressaca punk em 1978. Com muito humor e inteligência, o filme transita entre as diferentes fases de um grupo que sempre se sentiu estranho dentro da indústria musical. Neste caminho, o vocalista e guitarrista Andy Partridge, que deixa claro que não gosta de documentários musicais e aproveita a ocasião para fazer das suas. Para nosso deleite.

Sábado, 07 de julho, 14h.

 

SERVIÇO

IN-EDIT BRASIL – FESTIVAL INTERNACIONAL DO DOCUMENTÁRIO MUSICAL

Quando: 3 a 8 de julho de 2018

Onde: Sala Walter da Silveira

Quanto: R$6 e R$3 (meia entrada)

 

SESSÃO DE ABERTURA

FEVEREIROS, de Marcio Debellian (com a presença do diretor)

Quando: 03 de julho, 20h

Onde: Sala Walter da Silveira

Quanto: R$6 e R$3 (meia entrada)