Economia

FGTS: quem investiu em ações da Petrobras e Vale terá que resgatar aplicação para sacar

Valor será transferido para uma conta vinculada e passará a fazer parte do saldo da conta do Fundo

Geralda Doca, da Agência O Globo

Os trabalhadores que têm recursos do FGTS aplicados em ações da Petrobras e da Vale também poderão efetuar a retirada de parte do saldo da conta vinculada, conforme autoriza a medida provisória (MP).

Esses cotistas poderão se beneficiar da autorização especial de saque (de até R$ 500 por conta) e  da nova modalidade, de acordo com o mês de aniversário, o saque-aniversário.

A informação foi dada pela Caixa Econômica Federal, que divulgará na segunda-feira os detalhes da logística que está sendo montada para fazer os pagamentos do FGTS e do abono (Pis).

Segundo a Caixa, assim que o saque imediato for liberado - a partir de setembro até março de 2020 - quem usou os recursos do FGTS para investir nas ações das duas companhias, através dos Fundos Mútuos de Privatização, precisa primeiro procurar a instituição financeira responsável pela gestão da carteira e não necessariamente a Caixa para pedir os recursos.

Será necessário transferir todo o valor da aplicação para conta vinculada ao FGTS e não apenas o teto de R$ 500.


O valor transferido passará a fazer parte do saldo da conta do Fundo. Dessa forma, o cotista poderá sacar R$ 500, dentro do calendário definido pelo governo, e fazer a retirada no mês de aniversário. Neste caso, a liberação começa a partir de abril de 2020 para nascidos entre janeiro e fevereiro. Será possível sacar  entre 5% e 50%, de acordo com o saldo da conta.

A Caixa ainda não tem o dado consolidado sobre o montante das contas inativas aplicado em ações da Vale e Petrobras.

Segundo dados da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima), existem 70 carteiras que administram recursos do FGTS em ações da Vale e Petrobras. Juntos, esses fundos têm R$ 5,482 bilhões investidos.