Especiais

FIFA comenta sobre venda de acarajé na Copa do Mundo de 2014

A Federação divulgou comunicado na tarde de sexta-feira (05) informando sua posição em relação à venda do produto

Da Redação
A grande polêmica sobre a comercialização do acarajé na Copa do Mundo de Futebol de 2014 ganhou mais um capítulo. Na tarde de sexta-feira (05), a FIFA divulgou uma nota oficial, onde esclarece algumas dúvidas sobre a venda dos quitutes regionais, um dos mais procurados pelos turistas que freqüentam a cidade.

No comunicado, a Federação fez questão de afirmar que o acarajé estará presente nos tabuleiros das baianas, mas ainda não se sabe qual a concessionária brasileira que irá ficar responsável pela venda e distribuição dos alimentos.

Veja também:
Governo garante venda de acarajé durante os jogos da Copa 2014

"A FIFA pediu que cada licitante contemplasse no cardápio um produto da culinária regional em cada estádio. Isso vai refletir a diversidade das regiões no Brasil também a partir de uma perspectiva gastronômica. Ressaltamos que a maioria das propostas recebidas pela FIFA até o momento sugere a venda de acarajé em Salvador".

A nota cita ainda alguns exemplos de situações que já aconteceram em Copas anteriores. "Para se ter uma ideia do volume nas últimas duas edições da Copa do Mundo da FIFA, cerca de 4 mil funcionários serviram em 2006, nos 12 estádios: aproximadamente 1 milhão de litros de cerveja, 5,5 milhões de litros de refrigerante e 709 mil salsichas alemãs. Em 2010, nos nove estádios, foram servidos 600 mil litros de refrigerante, cerca de 800 mil litros de cerveja e 390 mil cachorros-quentes".

Sobre a tabela de preços dos produtos, a FIFA informou: "É importante que os fãs de futebol encontrem os mesmos preços e qualidade em cada um dos estádios e possam provar, ao mesmo tempo, sabores locais e clássicos internacionais".