Futebol

Fifa encerra investigação sobre queixa de Neymar contra o Barcelona

Jogador cobrava 43 milhões de euros de bônus (cerca de R$ 174 milhões) em relação à primeira renovação com o clube

Agência O Globo
- Atualizada em

A Fifa informou que encerrou as investigações sobre a queixa apresentada por Neymar, do Paris Saint-Germain, contra o Barcelona, pelo não pagamento do bônus de assinatura acordado por ambas as partes na última renovação do contrato do atleta com o clube.

A entidade argumentou que não aceita a denúncia já que o caso está sendo tratado em outros níveis e que, portanto, não irá interferir com eles. A reclamação de Neymar foi feita em agosto de 2017, mas só agora, seis meses depois, a entidade se pronunciou oficialmente.

O jogador cobrava 43 milhões de euros de bônus (cerca de R$ 174 milhões) em relação à primeira renovação com o clube – feita em outubro de 2016 –, que reteve esta quantia. O valor a princípio era de 26 milhões de euros, mas agora foram acrescidos impostos. A batalha agora será apenas na Justiça Espanhola, onde o craque abriu uma ação sobre a mesma cobrança.

Foto: Reprodução

“Após ser avisado que, aparentemente, a mesma questão foi submetida em paralelo diante de diferentes jurisdições pela mesma parte, a administração da Fifa informou às partes na disputa que, baseado na jurisprudência de longa data e na bem estabelecida jurisprudência dos órgãos de decisão da Fifa, não parecia estar em posição de continuar com a investigação do caso. Os procedimentos, portanto, foram fechados por motivos formais”, afirmou um porta-voz.

Em janeiro, o jornal “El Mundo” informou que Neymar tinha arquivado uma ação judicial com tribunais espanhóis contra o clube catalão em relação ao mesmo caso. O Barça disse que não pagaria o bônus e posteriormente anunciou que processaria Neymar por uma quebra de contrato. O atacante tinha um vínculo de cinco anos, até 2021, mas saiu antes do previsto ao ser vendido por 222 milhões de euros ao PSG.