Mundo

Filha de Woody Allen fala sobre abuso que sofreu do pai aos 7 anos

O caso veio à tona novamente na onda da série de denúncias de abusos sexuais em Hollywood, motivadas pelo movimento de atrizes 'Time's up'

Agência O Globo
- Atualizada em

A filha adotiva de Woody Allen, Dylan Farrow, falou pela primeira vez em entrevista a um canal de TV americano sobre as acusações de assédio sexual que fez contra o pai numa carta aberta escrita em 2014. O caso veio à tona novamente na onda da série de denúncias de abusos sexuais em Hollywood, motivadas pelo movimento de atrizes "Time's up".

Foto: Divulgação
Em entrevista ao programa "CBS This morning", que vai ao ar na quinta-feira, Dylan, filha da atriz Mia Farrow, com quem o diretor namorou durante 12 anos, fala sobre o abuso que o pai teria cometido quando ela tinha apenas sete anos.

"Eu estou dizendo a verdade e acho importante que as pessoas percebam que uma vítima, uma acusadora, importa. E que são suficientes para mudar as coisas". disse Farrow na entrevista, que abrange uma ampla gama de tópicos, incluindo os movimentos "#MeToo" e "Time's Up" .

Um dos catalisadores do movimento de denúncias de abusos que trazem de volta a acusação de Dylan contra o pai, foi a reportagem publicada por seu irmão, e também filho de Allen, Ronan Farrow. O jornalista afirmou sobre sua investigação que derrubou o poderoso produtor Harvey Weinstein, que "O histórico da minha família me fez entender desde cedo o que é abuso".

ATORES SE VOLTAM CONTRA ALLEN

Recentemente, algumas estrelas começaram a se voltar contra Allen. Rebecca Hall, uma das estrelas do próximo filme do diretor, "A rainy day in New York", vai doar o cachê recebido pelo trabalho para o "Time's Up"

"Após ler e reler as declarações de Dylan Farrow de alguns dias atrás e voltar para ler as mais antigas eu vejo o como essa questão é complicada, e também que minhas ações fizeram outra mulher se sentir silenciada e repudiada", escreveu a atriz. " Me arrependo dessa decisão e não faria o mesmo hoje."

Também atuando em"A rainy day em Nova York", O ator americano Timothee Chalamet anunciou segunda-feira que decidiu destinar seus ganhos à três instituições que combatem assédio sexual, entre elas o próprio "Time's up"