Comportamento

Foi traído(a)? Especialistas explicam como agir a uma traição

"As pessoas preferem buscar fora aquilo do que investir na criatividade para salvar ou apimentar uma relação que já existe", disse a psicóloga Bete Monteiro

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)

Descobrir uma raição é, na maioria das vezes, um momento delicado na vida das pessoas, principalmente quando a infidelidade se torna pública. Recentemente, vários famosos tiveram a vida íntima exposta em situações comprometedoras - o cantor Saulo, Marcos Mion e a cantora Preta Gil.

Com base nisso, a psicóloga e sexóloga Bete Monteiro, do Instituto Ser +, respondeu as dúvidas mais comuns quando o assunto é traição. Já a reprogramadora mental Ivana Cabral ensinou como superar esse momento.

Foto: reprodução
1) O que faz as pessoas traírem?

Bete Monteiro: são muitas variáveis; não necessariamente um único perfil. Pessoas que por algum motivo se permitem vivenciar uma traição ou uma micro traição, geralmente o fazem por alguma questão emocional.

A micro traição é um termo até comum. Não é o contato físico propriamente dito, e sim a omissão do relacionamento, ou até mesmo a intenção/desejo por outra pessoa. Antigamente era comum por exemplo os homens tirarem a aliança – isso é uma forma de micro traição. Ela é motivada pelo desejo do flerte.

2) É possível falar se homens e mulheres tem mais possibilidades de trair?

Bete Monteiro: hoje não. Antigamente era claro que o homem traía muito mais. Hoje não existe essa estimativa tão separada – o que acontece é que as mulheres são muito mais julgadas quando se envolvem com alguma pessoa fora do relacionamento, até mesmo pelas próprias mulheres. Esse fato tem total relação com o machismo.

3) Existem aplicativos para pessoas que buscam relações extraconjugais. Acredita que esses app podem ser um indicativo de que monogamia está com os dias contados?

Bete Monteiro: o aplicativo em si, não. Porque é uma ferramenta atual que possibilita as relações extraconjugais. Geralmente as pessoas que traem, escondem. Logo, as pessoas que utilizam o aplicativo não compartilham isso com o seu parceiro ou parceira pois não é algo para o casal. Não estamos falando de poligamia, por exemplo. De certa forma ainda existe o desejo de estar dentro daquele relacionamento, mas paralelamente buscam outras relações.

4) Existe alguma relação entre a temperatura e o desejo sexual?

Bete Monteiro: sim! Totalmente! No verão, as pessoas estão mais abertas, os corpos estão mais a mostra, as pessoas ficam mais calorentas. Tem um estudo que diz que com a temperatura mais elevada, os vasos sanguíneos ficam mais dilatados, consequentemente a circulação sanguínea é maior, inclusive na área genital – é como se as pessoas ficassem mais excitadas.

O próprio sol estimula a produção de hormônios do bem estar como serotonina e ocitocina. No verão, as pessoas também buscam cuidar mais dos corpos e realizam mais atividade física também, o que aumenta a testosterona e consequentemente aumenta a libido, tanto para homens quanto para mulheres. Com tudo isso acontecendo de uma vez, o aumento pela busca desse tipo de serviço (app) pode vir a acontecer mesmo.

5) Existe alguma outra consideração que seja pertinente sobre o tema?


Bete Monteiro: para mim, hoje, as pessoas estão idealizando muito mais uma relação; estão sendo muito mais exigentes para manter uma relação com comprometimento e fidelidade, principalmente com tantas possibilidades de fácil acesso que nos cercam.

As pessoas preferem buscar fora aquilo que já tem agregado um elemento novo do que investir na criatividade para salvar ou apimentar uma relação que já existe.



A reprogramadora mental, Ivana Cabral,  garante que a traição pode sim ser superada e é possível conviver com o parceiro normalmente.

Por que a traição acontece?


Ivana Cabral: é relativo, muitas pessoas traem pra se reafirmarem, muitas vezes, por se sentirem inseguras em um relacionamento. A pessoa trai às vezes, por estar passando por uma dificuldade no relacionamento e é ela busca em outra pessoa aquela chama que ela acha que não existe mais dentro de si. Você pode amar sim e trair, depende do desejo que irá sentir pelo outro. Você vai sentir desejo por outra pessoa, mesmo amando o seu parceiro, a diferença é você conseguir controlar esse desejo, entrar no equilíbrio. Depende dos valores de cada um.

É normal sentir o desejo de trair?

Ivana Cabral: é normal porque somos seres humanos e nós desejamos sim.

Tem perdão?

Ivana Cabral: lógico, tudo tem perdão. Depender de cada um para ressignificar essa dor. Existe uma tradição que muitas pessoas são muito presas ao passado e não conseguem perdoar porque o que não querem. Na verdade, ficam com aquela mágoa. Tem desejo de vingança.

Como seguir um relacionamento sem levar essa mágoa?

Ivana Cabral: a primeira coisa que você precisa ter em mente é saber se quer continuar nesse relacionamento, tem que ser importante pra você e a partir desse momento que você decide é perdoar essa pessoa.

1- Você precisa parar de falar nesse assunto;
2- Não jogue na cara do seu parceiro o erro que foi cometido.
3- Esquecer, a gente não esquece, então você vai lembrar sim, mas com o tempo você vai voltar a ter aquela confiança do início. Isso vai cicatrizando, mas você tem que ter a paciência. O tempo serve pra curar muitas feridas.
4- Viva esse relacionamento.