Tecnologia

Gamepólitan também tem espaço para apresentação de projetos

Durante o evento do Gamepólitan 2018, alunos da Unijorge fizeram mostra de projetos para diversas áreas

Dindara Ribeiro, Caroline Souza, Gabriel Coutinho e Marcella Paixão*
- Atualizada em

A partir de uma pesquisa de iniciação científica, os alunos Rainelle Oliveira e Álvaro Rodrigues, do quinto semestre de Fisioterapia da Unijorge, desenvolveram o ‘Scratch na Fisioterapia’, um aplicativo de jogos que auxilia pacientes que estão em processo de recuperação.


Anderson Sampaio e Larissa Bastos: equipe do projeto Logicamente. Foto: Dindara Ribeiro

Pentear o cabelo, levantar os braços ou até mesmo escovar os dentes são uma das dificuldades que pessoas em tratamento enfrentam. O aplicativo auxilia os pacientes através de atividades lúdicas e ajuda a estimular movimentos comprometidos por uma lesão ou deficiência. Além dos benefícios, as atividades do jogo variam de acordo com a necessidade de cada paciente.

Os testes ainda estão sendo realizados para descobrir as suas eficiências, porém dar continuidade ao processo da fisioterapia é essencial. “Vale ressaltar que o Scratch não está aqui para substituir o tratamento específico da Fisioterapia é mais um auxílio, uma coisa nova”, afirma Rainelle Oliveira, uma das estudantes responsáveis pelo projeto.

Rainelle Oliveira e Álvaro Rodrigues: equipe do projeto Scratch. Foto: Dindara Ribeiro

Logicamente
A junção de um estudante de ciência da computação com uma estudante de análise de sistemas fez com que o ‘Logicamente’ criasse forma. Anderson Sampaio e Larissa Bastos criaram uma plataforma de jogos que auxiliam e estimulam atividades cerebrais através de brincadeiras para diversas faixas etarias e com diversos níveis de dificuldade. Voltada para o desenvolvimento de habilidades matemática e lógica, a plataforma possui cinco atividades.

Entre elas está o jogo ‘Torre de Hanoi’, um conjunto de peças que precisam ser reordenadas da mesma forma inicial. Ela estimula o cérebro para entender a lógica e como funciona o planejamento de movimentos. Já o ‘Genius’ é um jogo de memorização que utilizam elementos de sons, cores e repetições. Ela traz benefícios que são essenciais para a saúde cerebral.

Os projetos foram apresentados durante o Gamepólitan 2018, que aconteceu no último final de semana no Campus da Paralela da Unijorge. 

*Estudantes de Comunicação da Unijorge