Tecnologia

Globoplay e Deezer firmam parceria no mercado de streaming

Acordo prevê período de degustação gratuito

Agência O Globo

Unir forças para oferecer múltiplos serviços, descontos e conteúdos exclusivos costuma ser uma das estratégias vitais para manter a fidelidade dos assinantes no competitivo mundo das plataformas de conteúdo on-demand. Diante disso, o Globoplay e a Deezer, empresa francesa de streaming de áudio, acabam de anunciar uma parceria inédita no Brasil.

A partir de hoje, os assinantes do Globoplay podem ter acesso à versão premium da Deezer gratuitamente por 12 meses (depois, a mensalidade será R$ 14,90, diferentemente dos R$ 16,90 para não assinantes Globoplay). Há ainda a produção de podcasts originais coexclusivos, um dos vértices mais importantes do acordo. De três a cinco produções anuais do Globoplay nesse segmento serão coparcerias com a Deezer, ou seja, produzidas e distribuídas por ambos. Um dos destaques dessa distribuição já está no ar: é o “À mão armada”, da jornalista Sônia Bridi, que analisa os resultados trágicos da política armamentista do governo Bolsonaro. Ele pode ser ouvido no app do Globoplay, no da Deezer e no G1.

— Acreditamos muito na produção conjunta. Podemos fazer um conteúdo de áudio virar audiovisual depois, e um especial musical ter uma versão em vídeo também. Faz muito sentido para o usuário final ter um aplicativo espetacular de vídeo on demand e de áudio — diz Marcos Swarowsky, diretor geral da Deezer no Brasil.

Outra ideia é a integração dos programas da TV com conteúdos musicais. Por exemplo: da página de uma novela, será possível ir direto para uma playlist da Deezer com a trilha sonora da obra. E na próxima edição do “The Voice Brasil”, no segundo semestre, o app de streaming terá playlists exclusivas do programa, aumentando a experiência de áudio do telespectador/usuário.

Para Erick Brêtas, diretor de Produtos e Serviços Digitais da Globo, a união de serviços é uma fórmula de sucesso para manter a base de assinantes de ambos, algo que o Globoplay tem visto desde que firmou, no ano passado, a parceria com o Disney+ (plataforma que reúne séries, filmes e programas infantis da Disney, além de conteúdos da Pixar, Marvel, Star Wars e National Geographic).

—Quando você oferece um serviço conjunto, isso contribui para a retenção, aumenta a percepção de valor — diz o executivo da Globo. — Estamos combinando dois acessos e facilitando a vida do consumidor. Muita gente quer um serviço de música.

Segundo principal nomedo streaming de áudio no Brasil (o primeiro lugar é do Spotify), a Deezer busca aumentar sua fatia num mercado que ainda tem muito potencial para crescer.

— Nossa estimativa na Deezer é de que 70% a 80% da base de clientes Globoplay não têm streaming de música — diz Swarowsky. — Será um desenvolvimento da categoria como um todo.

Com o espaço de marketing, principalmente da TV, a Deezer pretende mostrar para muitos brasileiros que ouvir uma música ou podcast por um app é muito mais vantajoso do que por um player de vídeo:

— Ouvir áudio por meio de vídeo restringe demais as ocasiões de consumo. E ainda tem desvantagens como o maior uso da bateria, da internet.