Tecnologia

Golpe no WhatsApp usa marcas infantis para enganar vítimas e atinge 85 mil pessoas

Um dos golpes utiliza a marca da Ri Happy, informando que a loja teria reservado cem mil brinquedos para distribuir como brindes

Agência O Globo

O Dia das Crianças já passou, mas golpistas ainda estão usando links em redes sociais para tentar roubar dados de consumidores por meio de promoções falsas. Desta vez, os criminosos se aproveitaram da data para enviar mensagens via WhatsApp, prometendo brinquedos grátis da loja Ri Happy e prêmios da Turma da Mônica para enganar as vítimas. A empresa de segurança Kaspersky identificou que mais de 85 mil pessoas acessaram os links criminosos, mas nem todas fizeram o cadastro e tiveram os dados pessoais roubados.

IMAGEM
Legenda
Um dos golpes utiliza a marca da Ri Happy, informando que a loja teria reservado cem mil brinquedos para distribuir como brindes aos usuários que acessarem o link malicioso. Caso a vítima clique no site, terá que preencher um formulário com três perguntas e será incentivada a compartilhar a mensagem com dez contatos ou cinco grupos.

O Grupo Ri Happy informou que está sendo vítima da ação de infratores que vêm divulgando posts com promoções falsas nas redes sociais e no WhatsApp. Os criminosos utilizam a marca de forma ilegal. A empresa reforçou que não tem relação com essas pessoas, e que as medidas judiciais cabíveis estão sendo tomadas para coibir a fraude e solucionar o caso.

Por fim, a Ri Happy recomendou que os clientes sempre verifiquem as promoções da marca nas próprias lojas físicas ou nos canais oficiais da rede (Facebook, Instagram e site). Também é possível consultar o SAC da empresa pelo telefone (11) 3004-2779 para mais esclarecimentos.

Turma da Mônica
No outro golpe, circula pela internet uma imagem ilustrada com famosos personagens dos quadrinhos de Maurício de Sousa, prometendo presentear o usuário com um "Combo de cinco historinhas" da Turma da Mônica. Para receber o falso prêmio, o usuário deve informar seu e-mail, seu número de telefone e seu nome completo. Segundo especialistas em fraudes do gênero, os dados pessoais das vítimas são coletados pelos bandidos para serem vendidos.