Economia

Golpe usa falso depósito em conta para enganar vítimas

Criminosos realizam depósito em caixas eletrônicos com envelopes vazios. No extrato bancário, quantia aparece na conta

Agência O Globo
Clientes de diversos bancos voltaram a virar alvo de um golpe bancário que funciona da seguinte forma: o consumidor percebe um depósito inesperado em sua conta-corrente e recebe uma ligação de uma pessoa que pede que o valor transferido por engano seja devolvido. No extrato bancário, a quantia aparece na conta, porém, na prática, os criminosos realizam depósitos em caixas eletrônicos com envelopes vazios e pedem o estorno às vítimas enquanto os valores ainda não foram conferidos pelas instituições financeiras. É comum que esse contato aconteça após o fim do expediente bancário, dificultando que o cliente fale com o banco.
A Federação Brasileira de Bancos (Febraban) esclarece que os depósitos realizados em caixas eletrônicos são compensados no dia útil seguinte, após conferência dos envelopes. Por isso, para ter certeza da autenticidade da operação, é imprescindível conferir o extrato bancário depois desse prazo.
O mesmo tipo de golpe também pode utilizar transferências entre contas. Neste caso, quem efetua o golpe programa a transação, porém, depois de entrar em contato com a vítima, suspende a operação, já que é possível cancelar agendamentos de DOC, TED e transferências entre contas de um mesmo banco até as 23h59 do dia útil anterior à data programada para a transferência. Segundo a Febraban, se no extrato bancário, a transferência estiver marcada como “saldo a liberar”, o crédito ainda não está na conta do favorecido.
A orientação para o consumidor é sempre desconfiar e, em casos de problemas, registrar queixas no Serviço de Atendimento do Cliente de seu banco no Banco Central. No ano passado, as queixas sobre golpes bancários pela internet ou aplicativo cresceram 297% em relação a 2016.
Outro golpe que tem se popularizado tenta atrair, principalmente, aposentados e pensionistas. Os criminosos se passam por funcionários do Banco BMG e de outras instituições financeiras oferecendo empréstimos imperdíveis, no entanto, exigem o pagamento antecipado de valores, que funcionariam como uma espécie de "seguro-fiança". Os consumidores enganados depositam os valores solicitados na esperança de conseguirem um empréstimo, e os criminosos ficam com a quantia dessa operação.
Entre outros truques usados por criminosos com frequência, estão promessas de vantagens financeiras ou dramas familiares apresentados por desconhecidos. Segundo a federação que representa os bancos, o cliente deve desconfiar especialmente de propostas de utilização de sua conta para transferência de valores.
Outra recomendação da Febraban é que o cliente não aceite receber créditos de pessoas desconhecidas em sua conta, pois propostas desse tipo são feitas por golpistas.
Já o Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) acrescenta que quadrilhas usam mensagens de texto e e-mails como isca para enganarem clientes. Nessas mensagens, os grupos se passam por funcionários da instituição financeira e compartilham links maliciosos, que tentam roubar os dados das vítimas. Os bancos e operadoras de crédito não ligam, nem enviam mensagens, pedindo a atualização de informações e, muito menos, que o consumidor forneça senhas.
Outra prática comum entre os golpistas é ligar com a falsa informação de que o cartão do usuário foi clonado. Se passando por representantes do banco, os consumidores são induzidos a fornecer dados para supostamente bloquear o cartão. O Idec recomenda que, caso receba uma chamada desse tipo, o cliente encerre a ligação e ligue para o número que está no verso do seu cartão, utilizando outro aparelho de telefone. Isso é essencial porque há casos em que os fraudadores conseguem "prender" a linha do consumidor, que pensa que está em contato com o banco, porém, continua na ligação com os bandidos.
CUIDADO COM AS ARMADILHAS
- Foco na segurança: cadastre seu celular para receber mensagens de texto (SMS) sobre movimentação em sua conta.
- Confira sempre as transações em seu extrato e, em caso de suspeita de irregularidades, procure sua agência e troque suas senhas.
- Alterações dos dados de boleto bancário podem acontecer de diversas formas, como alteração no número do banco ou nos valores. Por isso, sempre verifique as informações que estão no seu boleto, tanto na tela do computador quanto no documento impresso, como: valor, nome do beneficiário, marca e código do banco e numeração do boleto. As informações devem ser iguais em todo o documento.
- Nos caixas eletrônicos, em hipótese alguma, aceite auxílio de estranhos. Caso precise de ajuda, procure um empregado identificado com o crachá. Lembre-se que o funcionário de um banco jamais pedirá suas senhas ou códigos de segurança.
- Ainda nas agências, não permita que ninguém manuseie seu cartão e lembre-se de retirá-lo do equipamento depois de finalizada a operação. Se o seu cartão cair por algum motivo e alguém se apressar em recolhê-lo, verifique se o cartão devolvido é o seu.
- Memorize a sua senha, evite escrevê-la em papéis ou no próprio cartão.
- Na escolha de senha, evite escolher combinações que podem ser facilmente deduzidas, como datas de nascimento, placas de carros, números de documentos, nomes de familiares e números sequenciais como 1234, 1122, 1571, 1233.