Educação

Governo cria comissão para inspecionar questões do Enem

Ideia é retirar da prova deste ano enunciados que o governo considere de viés 'ideológico'; iniciativa foi publicada no Diário Oficial da União nesta quarta-feira, dia 20

Agência O Globo


O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), autarquia ligada ao Ministério da Educação (MEC), criou uma comissão para inspecionar as questões do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). A informação foi publicada nesta quarta-feira, dia 20, no Diário Oficial da União.

Foto: Agência Brasil
A iniciativa, conforme revelou O GLOBO em fevereiro, consiste em fazer uma revisão das questões para retirar da prova deste ano enunciados que o governo considere de viés “ideológico”.

A comissão que fará esse pente-fino no exame será composta por Marco Antônio Barroso Faria, secretário de Regulação e Supervisão do MEC; Antônio Mauricio Castanheira, diretor de Estudos Educacionais do Inep; e Gilberto Callado de Oliveira, procurador de Justiça do Ministério Público de Santa Catarina, que entrará como representante da sociedade civil.

A finalidade do grupo, segundo a portaria, é “realizar leitura transversal dos itens disponíveis no Banco Nacional de Itens (BNI) para a montagem das provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) - edição 2018”.

Essa leitura transversal dos itens, ainda conforme a portaria, tem como objetivo “verificar a sua pertinência com a realidade social, de modo a assegurar um perfil consensual do Exame”.

Prazo de dez dias para avaliar prova

A portaria estabelece que os trabalhos da comissão sejam feitos em um prazo de dez dias, a contar da publicação do Diário Oficial da União. Os integrantes do grupo terão acesso a um espaço físico reservado e a informações privilegiadas. Eles trabalharão no Ambiente Físico Integrado Seguro, que fica na sede do Inep, em Brasília, onde ocorre todo o processo de montagem do Enem e de outros exames de responsabilidade da autarquia.

O ambiente é isolado, sendo acessado apenas por uso de digitais. O Inep argumenta que, por ter caráter sigiloso, não haverá publicação do relatório de trabalho sobre o processo.

A comissão vai ler as questões para recomendá-las ou não antes da montagem da prova. A Direção de Avaliação da Educação Básica do Inep emitirá um parecer para cada questão vetada.

Caberá ao presidente do Inep, Marcus Vinícius Rodrigues, dar a palavra final em caso de discordância.