Arte e Decoração

Granito ou mármore? Saiba melhor ocasião para escolher cada um

Arquiteta também lista os cuidados que cada pedra merece

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)

Sinônimos de beleza e capazes de dar um ar sofisticado para os lares, as pedras naturais são materiais comuns de serem usados em design de interiores dos lares. Mármores e granitos são exemplos dessas pedras. Elas têm diferenças entre si e merecem cuidados.

“Quando vamos definir o material para um projeto, é vital avaliar qual será sua aplicação, se o uso será em bancadas de cozinha, piso ou parede. Além disso, se a área tem grande exposição ao calor, insolação, se haverá contato com produtos de limpeza etc.”, explica a arquiteta Patricia Penna.

Entenda a diferença entre o mármore e o granito, e a melhor ocasião para usar cada uma.

Mármore

Elegância é a palavra que melhor define o mármore, material que há muito tempo faz parte da história da arquitetura. Mas ao escolhê-lo é preciso levar em consideração que se trata de um material delicado, com grande porcentagem de calcário em sua composição e, por ser bastante poroso, precisa ser devidamente tratado, evitando que a sua aplicação não traga problemas futuros. “Convém evitar em ambientes onde há contato direto com produtos abrasivos e drásticas variações de temperatura, pois perderá suas características e poderá trincar”, alerta Patricia Penna.

Apesar de não ser indicado para a cozinha, ele é bastante versátil, e pode ser usado de diversas maneiras, como revestimentos de paredes, pisos, bancadas, lareiras (revestimento externo, apenas, onde há isolamento térmico) escadas e até mesmo no mobiliário. “Por sua maior fragilidade, seu uso em áreas externas precisa ser muito bem avaliado, pois intempéries certamente modificarão sua superfície e o material poderá ser avariado”, comenta a arquiteta.

Bancadas e pisos de banheiro também recebem bem o mármore, pois não há grandes variações de temperatura. Mas há ainda incidência da água, que modifica o material a longo prazo, e a abrasão e gordura, ainda que mais leves, de produtos de uso pessoal e limpeza, que ao longo do tempo vão se acumulando no material. A recomendação, portanto, é a mesma: requerem sempre a boa e frequente manutenção da impermeabilização, e pedem cuidados de limpeza.

Granitos

Formado por três minerais (mica, feldspato e quartzo), o granito é esteticamente bonito, mais resistente que o mármore, bastante durável e há diversas variedades.  Seu aspecto, em geral, é mesclado, justamente por sua composição geológica, e diferente dos mármores, não possui os tradicionais “movimentos”. É muito usado devido ao seu custo-benefício, pois além de mais resistentes à abrasão (produtos de limpeza, alimentos cítricos, etc), permeabilidade e impacto, têm custo menor que os mármores. Além disso, possui grande resistência às variações de temperatura, o que o torna um material ideal para bancadas e pisos de ambientes internos ou externos. “A sua maior resistência, o torna ideal para uso em ambientes com alto tráfego, como acessos de pedestres, veículos, escadas e até fachadas”, revela Patricia, que reforça ainda que o material natural pode ser aplicado em lareiras, soleiras, rodapés, peitoris e bancadas em geral.

Apesar de sua boa durabilidade, é importante lembrar que o material também demanda alguns cuidados na hora da limpeza e manutenção, para que continue bonita e sem manchas. Evite utilizar produtos abrasivos ou quaisquer produtos que contenham componentes ácidos. “O melhor é adotar sabão neutro ou detergente e água para a limpeza”, finaliza a arquiteta que utiliza a pedra natural em seus projetos de interiores.