Economia

Imposto de Renda 2019: veja quais documentos são necessários para fazer a declaração

IR é cobrado em cima do que o contribuinte ganhou no ano anterior

Agência O Globo

Está chegando a hora de acertar as contas com o Leão. O Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF) é cobrado em cima do que o contribuinte ganhou no ano anterior: quanto maiores os gastos, menor o imposto; quanto maior o lucro, maior a tributação a ser paga para o governo. A temporada de prestação de contas à Receita Federal ainda não começou. Vai do início de março ao fim de abril. Mas, faltando um mês para que os contribuintes comecem a entregar as declarações, este é o momento ideal de separar os documentos.

Quanto antes entregar a declaração de ajuste anual à Receita Federal, maior a chance de receber logo a restituição, no caso de quem, após todas as deduções previstas em lei, pagou mais imposto do que deveria no ano anterior. São sete lotes de devolução anuais, que são liberados de junho a dezembro. O primeiro e o segundo contemplam, em sua maioria, idosos acima de 65 anos, pessoas com deficiência e professores, que têm prioridade. Mas quem se antecipa tem chance de receber logo a restituição.

Para isso, no entanto, é importante informar todos os dados corretamente na declaração (incluindo centavos). Do contrário, corre-se o risco de cair na malha fina.

Os principais documentos a serem reunidos para prestar informações à Receita Federal são os informes de rendimentos; os gastos relativos à saúde e educação; os dados e as despesas referentes aos dependentes; as escrituras de imóveis; os documentos de veículos; e os extratos de investimentos.

Durante a declaração, o contribuinte terá que informar dados como rendimentos tributáveis, bens adquiridos e o saldo bancário no fim do ano de 2018.

Confira, abaixo, quais documentos são necessários para fazer o ajuste anual:

  • Renda

•Informes de rendimentos de instituições financeiras, inclusive corretora de valores

• Informes de rendimentos de salários, pró-labore, distribuição de lucros, aposentadoria, pensão etc.

• Informes de rendimentos de aluguéis de bens móveis e imóveis recebidos de jurídicas

• Informações e documentos de outras rendas percebidas no exercício, tais como rendimento de pensão alimentícia, doações, heranças recebida no ano, dentre outras Informações

• Resumo mensal do livro-caixa com memória de cálculo do carnê-leão; DARFs de carnê-leão

  • Bens e direitos

• Documentos que comprovem a compra e venda de bens e direitos

  • Dívidas e ônus

• Informações e documentos de dívida e ônus contraídos e/ou pagos no período. No caso de imóveis financiados, por exemplo, o banco (agente financeiro) fornece um extrato para IR com o total das prestações pagas no ano anterior e o montante do saldo devedor

  • Renda variável

• Controle de compra e venda de ações, inclusive com a apuração mensal de imposto

• DARFs de renda variável

  • Informações gerais

• Dados da conta bancária para restituição ou débitos das cotas de imposto apurado, caso haja

• Nome, CPF, grau de parentesco dos dependentes e datas de nascimento

• Endereço atualizado

• Cópia da última Declaração de Imposto de Renda Pessoa Física (completa) entregue

• Atividade profissional exercida atualmente

  • Pagamentos e doações efetuados

• Recibos de pagamentos ou informe de rendimento de plano ou seguro saúde (com o CNPJ da empresa emissora e a indicação do paciente)

• Despesas médicas e odontológicas em geral (com CNPJ da empresa emissora ou CPF do profissional, com indicação do paciente)

• Comprovantes de despesas com educação (com o CNPJ da empresa emissora e a indicação do aluno)

• Comprovante de pagamento de Previdência Social e de previdência privada (com o CNPJ da empresa emissora)

• Recibos de doações efetuadas

• GPS (do ano todo) e cópia da carteira profissional de empregado doméstico

• Comprovantes oficiais de pagamento a candidato político