Mercado Imobiliário

Lista aponta as ofertas para novo teto do FGTS; veja o que comprar usando o benefício

Levantamento mostra apartamentos e casas de até R$ 650 mil que podem ser financiados em Salvador e Região Metropolitana

Jorge Gauthier (jorge.souza@redebahia.com.br)
- Atualizada em

Você sempre sonhou em morar em um apartamento dentro de um bairro planejado, com áreas de lazer, infraestrutura completa, mas o preço sempre foi maior do que seu desejo?  Pois é, esse cenário começou a mudar esta semana depois que o Conselho Monetário Nacional (CMN) elevou os valores máximos dos imóveis que podem ser adquiridos com o uso de recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).


Agora, na Bahia, o  valor dos imóveis que podem ser financiados com recursos do FGTS subiu de R$ 500 mil para R$ 650 mil. Dentre esses empreendimentos que estão à venda em Salvador e Região Metropolitana nessa faixa de preço estão os apartamentos do bairro planejado Greenville, que está sendo construído pela construtora PDG em Pituaçu.


O imóveis do Greenville nos condomínios  Atmos, Etco, Platno e o Ludco variam de R$ 450 a 650 mil, por exemplo. “Os condomínios são independentes, com estrutura de lazer completa, segurança, duas ou três  vagas de garagem e varanda gourmet. São apartamentos de 88 m² a 134 m²,  de três ou quatro quartos com suíte. Em Brotas, temos ainda o Pátio Arvoredo, produto com obras avançadas, com unidades de 2 e 3 quartos, de 67 m² a  107 m²”, explica o diretor regional da PDG, Rodrigo Alves. No caso do empreendimento Greenville, o consumidor ainda pode parcelar a entrada em até três prestações.


No Iberostate, em Praia do Forte, há  dois empreendimentos com unidades de até 650 mil. São eles: Ilha do Mediterrâneo e Mediterrâneo. Para os dois, há a opção do uso do FGTS, como primeira residência. O Ilha do Mediterrâneo  é composto por 26 unidades em três prédios. Há opção de um ou dois quartos. O outro empreendimento é o Mediterrâneo, que é composto por 76 apartamentos e tem previsão de entrega para o segundo trimestre de 2014. Tem unidades de um, dois ou três quartos, com 70 m², 80 m² ou 95 m², respectivamente.


Outra empresa que está cm imóveis à venda abaixo desse  novo teto é a MRV. Yuri Chain,  diretor comercial da MRV Engenharia, indica que dois empreendimentos da empresa em Salvador atendem a esse público: o Parque Summer Ville (Sussuarana)  e o Spazio Sunset (Cabula).


“Em Vila de Abrantes, em Camaçari, tem unidades no empreendimento  Parque Sun Castle e Parque Sun Palace. Já em Lauro de Freitas, a empresa está vendendo o Sun City, Parque Sun Garden, Parque Sun Valey e o Spazio Solarium”, diz.


Todos possuem preços abaixo de R$ 250 mil.


MERCADO 
O presidente da Associação das Empresas Dirigentes do Mercado Imobiliário da Bahia, Nilson Sarti, explica que o aumento do teto de financiamento terá reflexos na compra da casa própria.


“O aumento do teto do FGTS era uma reivindicação antiga do setor, pois desde 2009 que esse valor não era reajustado, enquanto que os imóveis passaram por valorização”, diz.


Sarti afirma também que não acredita em aumento do valor de metro quadrado, pois o novo valor do FGTS para a aquisição do imóvel irá ajudar a equilibrar o mercado. “A  mudança irá ajudar quem antes não tinha condições de comprar imóvel”, defende.


O diretor regional da PDG acredita também que a alteração não implicará na elevação dos preços. O aumento do teto do valor do imóvel é benéfico tanto para os compradores quanto para as incorporadoras. Os compradores poderão  utilizar os seus recursos do FGTS para abater da entrada ou do valor do financiamento e  as incorporadoras terão mais clientes para  enquadrar no valor do imóvel. Não acreditamos em aumento de preços,  pois é o equilíbrio entre oferta e demanda do mercado que prevalece”, explica Rodrigo Alves.


De acordo com o chefe adjunto de Departamento de Regulação do Sistema Financeiro do Banco Central (BC), Júlio César Carneiro, o limite foi elevado para corrigir a inflação acumulada no período, que variava de 22% a 29%, dependendo do índice. No caso de material de construção, segundo o último Índice Nacional do Custo da Construção (INCC), a alta acumulada é de 36,43%.


O CMN também mudou a parcela do valor do imóvel que pode ser financiado com recursos do FGTS. Na regra anterior, até 90% do valor podia ser financiado. A partir da nova regra, o percentual ficou em 90% para os financiamentos que usam o Sistema de Amortização Constante (SAC). É o tipo de financiamento onde as parcelas começam mais altas, mas o abatimento do saldo devedor ocorre mais rápido.


Para os demais sistemas de amortização, o percentual foi reduzido para 80% para os financiamentos.


Matéria original: Correio 24h

Lista aponta as ofertas para novo teto do FGTS; veja o que comprar usando o benefício