Mundo

Maioria dos casamentos são inválidos, diz Papa, que depois se corrige

Pontífice afirmou que casais não vivem o que a igreja prega e foi duramente criticado pela ala conservadora

Agência O Globo
- Atualizada em


O Papa Francisco gerou polêmica após afirmar que a "grande maioria" dos casamentos católicos celebrados atualmente são inválidos, porque os casais não entendem que se trata de um compromisso para a vida toda. Após a fala, o religioso foi criticado pela ala conservadora da Igreja, que entendeu o discurso como uma afirmação de que a maioria dos fiéis não levam os votos a sério.O pontífice falava em uma sessão de perguntas e respostas com padres, freiras e paroquianos na quinta-feira, na Basílica de Roma. Francisco disse também que a Igreja precisa de programas melhores de preparação para o matrimônio.


"Estamos vivendo em uma cultura provisória. Por causa disso, a grande maioria de nossos casamentos são nulos, porque os casais dizem 'sim, para o resto da minha vida', mas eles não sabem o que estão dizendo, porque têm uma cultura diferente", disse o Papa em resposta a um fiel que falou sobre crise no casamento e perguntou como a igreja pode preparar melhor os jovens casais.


Em uma transcrição feita pelo Vaticano e emitida nesta sexta-feira, as palavras do pontífice foram alteradas. Onde se dizia "a grande maioria" dos casamentos foi escrito "alguns". Um porta-voz do Vaticano afirmou que algumas declarações do Papa são editadas após consulta com ele e seus assessores.


O religioso disse também que a Igreja precisa fazer programas melhores de preparação para o casamento e que padres não devem pressionar casais que vivem juntos a se casarem se eles não estão prontos para o matrimônio. Ele disse que os padres devem "deixar a fidelidade amadurecer".Críticas

Ross Douthat, um escritor conservador católico e colunista do jornal "The New York Times", disse em um de seus 20 tweets sobre o assunto que o Papa Francisco fez "uma alegação extraordinária, irresponsável e rídicula".


Já o editor da revista católica conservadora "First Things Catholic", afirmou que a fala havia sido "errada e irresponsável". Edward Peters, advogado e conselheiro do Vaticano, escreveu que as palavras do pontífice foram "muito ruins", porque poderia fazer com que casais em uma situação difícil desistissem ao invés de tentar resolver os problemas.