Arte e Decoração

Material do futuro: veja como o vidro ajuda a decorar de forma única

Vidros atuais, com a devida tecnologia aplicada, possuem ainda atenuações térmicas

Redação Dino

Ao observar os grandes e futuristas projetos é possível notar que o futuro é de vidro. Um material milenar que nunca saiu de moda por não perder sua modernidade. Muitos dos filmes futurísticos por exemplo exaltam o vidro como algo extremamente presente, muito mais utilizado por sinal que os dias atuais.

A arquitetura já identificando essa tendência, e claro, além de tudo sustentabilidade, já adota o vidro como parte elementar para o sucesso das construções. Clean, moderno, transparente, resistente, acústico, seguro, inovador entre muitas outras características. Os vidros atuais, com a devida tecnologia aplicada, possuem ainda atenuações térmicas.

O mundo registra crescimento acentuado na utilização de vidros na arquitetura; e o Brasil tem acompanhado essa tendência mundial. A popularização no Brasil só não é maior devido à falta de conhecimento de prestadores de serviço com mão de obra qualificada. Diversos arquitetos até cogitam o uso de vidros especiais em suas formas mais excêntricas, mas optam por outros elementos devido à precariedade de profissionais especializados no ramo. Infelizmente, no Brasil a demanda de serviços é maior que a oferta de profissionais qualificados e este é um fator que dificulta para sermos vistos como referência no mercado mundial.

Com o auxílio de equipes qualificadas no uso de vidros, a construção civil como um todo é capaz de criar verdadeiras obras de arte arquitetônicas, como é o caso do Jardim Botânico de Curitiba, da Casa de Vidro e o MASP, de São Paulo e o prédio Tecnosfera (Technosphere), de Dubai. O vidro também auxilia na projeção de elementos estruturais como coberturas, pisos, escadas, guarda-corpos, piscinas, fachadas, divisórias de vidro.

O material traz diversas vantagens para as edificações, entretanto, em qualquer obra que una vidro e arquitetura é de suma importância que haja uma análise detalhada do projeto antes da escolha do modelo correto para a ocasião, permitindo assim que a estrutura ofereça todos os seus benefícios com segurança, a correta especificação é extremamente importante.

No caso das divisórias de vidro por exemplo, toda a instalação deve ser realizada com precisão e técnica necessária para garantir um acabamento e performance. Além disso, existem diversos modelos de divisórias de vidro que permitem que - além de dividir o ambiente - o elemento traga outras qualidades ao espaço, como amplitude visual, iluminação do ambiente, conforto térmico e acústico, economia de energia, etc.

Para cada finalidade é preciso um estudo prévio. Por mais simples que seja a divisória de vidro, se projetada com os vidros incorretos ou instalada inadequadamente, de fato o resultado ficará comprometido de alguma forma.

Quando a divisória for específica para aprimorar o conforto acústico, por exemplo, é imprescindível que os profissionais responsáveis verifiquem o tipo e a intensidade do ruído presente no local antes de definir as especificações do vidro, estruturas, ferragens, etc.

Além disso as equipes responsáveis pela instalação devem se comprometer com o respeito às normas técnicas, seguindo todas as orientações da ABNT. Esse é um dos principais fatores que dificulta a presença de profissionais qualificados no ramo, pois não existe um tipo de vidro indicado para todos os projetos; cada projeto é único e precisa ser submetido à análise para que a obra inteira ofereça segurança e seja agraciada com os benefícios do vidro.

Resumidamente, mais do que saber construir projetos em vidro, a empresa precisa entender todas as necessidades do cliente e enquadrar determinado projeto às normas de segurança. Somente assim será possível compor uma estrutura segura, sólida, funcional e carregada da beleza intrínseca do vidro.