Economia

Mês do Dia das Crianças deve ter queda de 4,7%, aponta Fecomércio-BA

No entanto, desempenho é considerado positivo quando comparado com período de 2019

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)
- Atualizada em

O comércio já está se preparando para mais uma data comemorativa importante, o Dia das Crianças (dia 12 de outubro). Mas, as projeções não são tão positivas. De acordo com a Fecomércio-BA, as vendas de alguns setores devem cair, em média, 4,7% quando comparado com o mesmo período do ano passado.

Os cinco setores analisados foram: vestuário, eletroeletrônicos, supermercados, farmácias e “outras atividades”, que contempla as lojas de brinquedos e artigos esportivos, por exemplo. O consultor econômico da Fecomércio-BA, Guilherme Dietze, disse que esse resultado deve ser assimétrico, com três setores no positivo e dois no negativo.

“A alta anual projetada que ganha destaque é a do setor de roupas e calçados, de 8,7%. Tradicionalmente são produtos mais procurados para dar de presente para as crianças. E quem for ao comércio para comprar uma roupa infantil vai encontrar preços mais baratos do que no ano passado”, destaca Dietze.



Segundo o índice de inflação (IPCA), o subgrupo roupa infantil registrou queda média nos preços de 4,95% nos últimos 12 meses. Já o grupo 'Outras Atividades' deve registrar aumento no mês de outubro de 3,3% em relação a igual período do ano passado.

“São vários os setores incluídos no grupo, desde combustíveis para veículos, joalherias, mas têm também as lojas de brinquedos que são destaques para o evento. Os preços médios dos brinquedos subiram 4,43% em um ano, abaixo da inflação geral da região, de 8,59%, o que torna também uma possibilidade de gastar menos” pontua o economista.

No entanto, quem pensar em comprar uma bicicleta em uma loja de artigo esportivo pode preparar o bolso. A média de preço subiu 14,84% desde setembro do ano passado.

Para quem junta uma ida ao restaurante com recreação não vai encarar um impacto tão significativo, uma vez que esse segundo item registrou aumento médio de 3,39% nos preços, em 12 meses.

O economista destaca que o mês do Dia das Crianças indica ainda um cenário desafiador para as vendas com diferença de comportamento setorial. “A inflação segue restringindo o poder de compra das famílias e sobra pouco no final do mês. A dica para quem está com o orçamento apertado é buscar algo simples para presentear, ou elaborar alternativa mais recreativa, pois não há espaço para se endividar mais com um quadro de incertezas”, aponta Dietze.