Mundo

Metrô descarrila na Rússia e ao menos 19 pessoas morrem

Das 150 pessoas feridas, pelo menos 50 estão em estado grave. Porta-voz de Moscou disse que 200 pessoas foram retiradas dos três vagões.

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)
- Atualizada em

 Ao menos 19 pessoas morreram e pelo menos 150 ficaram feridas –algumas em estado grave– nesta terça-feira (15) após três vagões de um trem do metrô de Moscou descarrilarem, segundo oficiais do serviço de emergência.


Dos 150 relatados feridos, pelo menos 50 deles estão em estado grave, informou a agência de notícias Itar-TASS, citando o chefe do departamento de saúde de Moscou, Georgy Golukhov.


Alexander Gavrilov, vice-chefe dos serviços de emergência de Moscou, disse que equipes de resgate recuperaram sete corpos e está trabalhando para tirar mais 12 corpos de dois carros de trem destruídos.

 Segundo o Ministério para Situações de Emergência, o acidente aconteceu devido a uma queda brusca da tensão elétrica, o que acionou um alarme, provocando a frenagem repentina do trem.


O acidente aconteceu no trecho entre as estações Slavianski Boulevard e Park Pobedy, no leste da cidade.


Yuri Akimov, porta-voz de Moscou para os serviços de emergência, disse que cerca de 200 pessoas foram retiradas do trem, que estava preso entre as duas estações.


"Ele freou muito intensamente. As luzes se apagaram e havia muita fumaça", um homem, com o nariz sangrando, disse à TV Rossiya-24.

Vítimas sendo socorridas logo após o acidente na Rússia

Pelo menos quatro helicópteros transportaram feridos a hospitais.As autoridades organizaram o serviço de ônibus para transportar os passageiros entre as estações afetadas pelo acidente.A estação Park Pobedy é a mais profundo do sistema de metrô de Moscou –84 metros de profundidade, o que fez o resgate particularmente difícil. A estação leva ao Parque Pobedy, onde o museu da Segunda Guerra Mundial está localizado.O metrô de Moscou é o mais movimentado do mundo, com até 9 milhões de usuários em dias de semana. Com informações da Folha de São Paulo.