Brasil

'Meu bumbum quase necrosou', conta mulher que também aplicou substância que matou bancária

Ela relata que fez procedimento estético com uma enfermeira; Produto se espalhou para lombar, quadril e perna direita

Clarissa Pains, da Agência O Globo

"Foi a pior coisa que eu fiz na vida". Gabriela Amorim da Silva, moradora de Osvaldo Cruz, Zona Norte do Rio, não se cansa de repetir a frase enquanto relata as complicações que sofreu após injetar no bumbum a mesma substância que levou à morte uma bancária na madrugada de domingo.

A moça, hoje aos 31, fez o procedimento conhecido como bioplastia, usando o produto PMMA — sigla para polimetilmetacrilato, que é um material parecido com plástico —, quando tinha 27 anos de idade. Quem fez a aplicação nela foi uma enfermeira. A substância se espalhou para outras partes do corpo e, até hoje, ela sofre com as consequências e precisará passar por uma cirurgia para retirar parte do tecido da perna.


Veja abaixo o depoimento de Gabriela:
"Há quatro anos, eu me interessei em fazer uma bioplastia no bumbum porque achei que seria melhor do que colocar uma prótese. Quem aplicou em mim foi uma enfermeira. De início, eu fiquei um pouco receosa de fazer com ela, e não com um médico, porque é um procedimento invasivo. E eu sou esteticista, então sabia dos riscos que poderiam acontecer. Mas essa enfermeira foi até minha casa e fez um teste alérgico em mim, e não deu nada. Então eu achei que não haveria problema.

Fiz uma primeira aplicação e, depois, quatro retoques, todos feitos na minha casa. A enfermeira vinha até minha residência e trazia o equipamento de que precisava. As complicações só apareceram após esse quarto retoque. Hoje eu sei que não deveria ter feito nenhuma aplicação, muito menos retoques... Foi a pior coisa que eu fiz na minha vida. A pior.

O meu bumbum quase necrosou, chegou a ficar todo preto. Como eu sou esteticista, logo fiz massagens e procurei um médico para tentar reverter o quadro. Tive que tomar muito corticoide e fazer um longo tratamento. Aí descobri que a substância tinha se espalhado do meu bumbum para o quadril, para a lombar e para a perna direita.

Eu tive três inflamações na minha perna direita. É, na verdade, uma inflamação crônica. Uma hora eu estou muito bem, mas outra hora eu começo a sentir uma dor na perna, se eu como uma linguiça ou alguma outra coisa gordurosa. E agora eu tenho um filho pequeno, então quero estar 100% disposta e saudável para cuidar dele. Estou, no momento, fazendo o meu pré-operatório para realizar uma cirurgia de retirada de uma parte do tecido da minha perna direita.

Eu já chorei muito, tanto por conta das complicações que venho sofrendo nesses últimos quatro anos, como por conta da cirurgia que vou ter que fazer. Mas agora não tem jeito: vou fazer a operação, depois tentar reconstruir plasticamente essa parte da perna e espero ficar bem.

Não me importo de contar meu caso para que possa ajudar outras pessoas a não repetirem o erro. Não se deve buscar soluções que parecem fáceis, muito menos com pessoas que não são médicas, que fazem procedimentos invasivos em casa. Foi, com certeza, a pior coisa que eu fiz na minha vida. A que me trouxe mais sofrimento".


Em nota, o Conselho Regional de Medicina (Cremerj) informou que já abriu uma sindicância para apurar o caso da bancária Lilian Jamberci, de 46 anos, que morreu no último final de semana, horas depois de ser submetida a uma bioplastia realizada em uma cobertura na Barra da Tijuca por Denis Furtado, mais conhecido nas redes sociais como “Doutor Bumbum”. Ao menos no Distrito Federal, Denis era investigado desde de novembro.

O médico teria usado a substância PMMA na bancária. O produto é aprovado pelo Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), mas indicado somente para uso em pequenas quantidades na face, geralmente em pacientes com HIV que tenham alguma atrofia facial.

Especialistas em cirurgia plástica alertam para o estrago que substâncias assim podem causar no corpo. Não só o PMMA, mas qualquer outra substância injetável, como hidrogel, silicone líquido ou óleo comum. O mais indicado para aumentar o volume de regiões como o bumbum, segundo eles, é a prótese de silicone, que é facilmente retirada do corpo em caso de complicação. E procedimentos assim sempre devem ser feitos com cirurgiões plásticos.