Dança

Morre o pai do balé cubano, Fernando Alonso; relembre sua trajetória

Causa da morte não foi revelada

Da editoria de Notícias & Empregos
- Atualizada em
Fernando Alonso fundou o Ballet Nacional de Cuba
O ex-professor e fundador do Ballet Nacional de Cuba de Balé, Fernando Alonso, morreu neste sábado (27), em Havana, aos 98 anos.Ele estreou como dançarino na Companhia Mordking Balé em 1937. Fundou, em 1948, ao lado da sua mulher, a também dançarina Alicia Alonso, o Balé Alicia Alonso, que depois se transformaria no Balé Nacional de Cuba.
Na companhia, ficou até 1975. Depois, foi dundador e diretor da Escola Nacional de Balé e do Balé de Camaguey, grupo que liderou entre 75 e 92, quando passou a dirigir a Companhia Nacional de Dança do México. Mais tarde, em 2000, recebeu o Prêmio Nacional de Dança em Cuba e, dentre outros mimos, recebeu em 2008, no Teatro Bolshoi, em Moscou, o prêmio Benois de danse, considerado o Oscar da dança.Pioneiro do balé cubano
Nascido em Havana em 27 de dezembro de 1914, Alonso estreou em 1937 como dançarino na Companhia Mordking Balé.

Ao lado de sua mulher, a também dançarina Alicia Alonso, em 1948 fundou o Balé Alicia Alonso, que depois se transformaria no Balé Nacional de Cuba, companhia que dirigiu até 1975.

Alonso também foi fundador e diretor da Escola Nacional de Balé e do Balé de Camaguey, grupo que liderou de 1975 até 1992, quando passou a dirigir a Companhia Nacional de Dança do México.

Sua biografia profissional inclui classes e testes em países como Rússia, Estados Unidos, Bulgária, Argentina, Brasil, México, Uruguai, Venezuela, Colômbia, Peru e China.

No ano 2000, foi agraciado com o Prêmio Nacional da Dança em Cuba e, entre outros reconhecimentos, recebeu em 2008, no Teatro Bolshoi, em Moscou, o prêmio Benois da danse, considerado o Oscar da dança.


Ballet Nacional de Cuba