Educação

Mudança de local do Enem custará R$ 12 milhões aos cofres públicos, avisa ministro

De acordo com o MEC, quase 200 mil inscritos vão ter a aplicação das provas adiadas para dezembro por conta das escolas ocupadas

Redação Correio 24h
A mudança de data da realização da prova do Enem para 194,1 mil inscritos, anunciada Ministério da Educação na última segunda-feira (1º) custará R$ 12 milhões aos cofres públicos. O valor foi divulgado na manhã desta quinta-feira (3) pelo ministro Mendonça Filho, em entrevista à rádio Estadão. De acordo com o Inep, por conta das escolas ocupadas em todo o Brasil, que serviriam como locais de prova, alguns inscritos vão ser realocados para para fazer o Exame nos dias três e quatro de novembro. Ontem, o Procurador da República Oscar Costa Filho ajuizou uma ação civil pública pedido o adiamento das provas marcadas para este final de semana (cinco e seis de novembro). Ele sustenta que não podem ser aplicados temas diferentes da redação para os inscritos.
 
Foto: EBC
O Inep informou que já solicitou à Advocacia-Geral da União (AGU) a apresentação de defesa para o pedido do Ministério Público Federal (MPF). Para a entidade, há um “grave equívoco” na argumentação do procurador da República autor do pedido. Para a entidade, há um “grave equívoco” na argumentação do procurador da República autor do pedido.O Inep rebateu a tese de prejuízo à isonomia do exame. Explicou que todo ano já são aplicados dois tipos de provas e redações. “As provas do Enem têm o mesmo princípio da equivalência garantindo igualdade de condições a todos os inscritos. É lamentável qualquer tentativa que venha gerar insegurança e tumultuar um exame que afeta a vida de 8,6 milhões de estudantes e seus familiares”, disse o instituto.Veja lista das escolas afetadas pelo adiamento do EnemBahia
O número de estudantes na Bahia que terão que realizar as provas do Enem em dezembro pode crescer. É que, além dos 42 lugares que tiveram que adiar a realização do exame por conta da ocupação dos estudantes, a Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs) pode ter a realização das provas neste final de semana comprometida. É que um grupo de estudantes está acampado na Reitoria da Uefs desde a noite de anteontem. A ocupação ocorreu após o Inep anunciar a lista dos locais que teriam as provas adiadas.Segundo o reitor da Uefs, Evandro do Nascimento Silva, os docentes se reuniram para discutir as reivindicações relacionadas a problemas internos da universidade e também em protesto à Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 241.
Correio24horas