Economia

Na nova regra de cobrança de bagagens, o barato pode sair caro

Preço de mala despachada para quem paga a tarifa mais básica pode passar de R$ 500

Agência O Globo
om a nova resolução da Anac que libera a cobrança por bagagem despachada, é preciso ficar atento às tarifas mais baratas oferecidas pelas companhias aéreas. Em muitos casos, o barato pode custar caro: para despachar uma mala fora da franquia de bagagem na TAP, por exemplo, o viajante pode ter que pagar até R$ 545.
Em 1º de setembro a companhia aérea portuguesa passou a ser a primeira (e por enquanto, única) estrangeira a oferecer aos passageiros brasileiros uma tarifa que não inclui bagagem de porão. É a categoria Discount, a mais barata de quatro faixas que compõe a nova política de preços da empresa. Nela, é permitido apenas uma bagagem de mão de até 8kg.

Foto: Arquivo Correio

Para despachar uma mala padrão, de até 23kg, é cobrada uma taxa extra, que varia de acordo com a antecedência da reserva: US$ 45 (com mais de 36 horas de antecedência), US$ 80 (a partir de 36 horas antes do embarque) e US$ 175 (no check-in já no aeroporto). Ou seja, a mala pode custar de R$ 140 a R$ 545 para quem optou em comprar a tarifa mais baixa.
Valores que podem não compensar quando se compara os valores oferecidos para um voo Rio-Lisboa-Rio, entre 13 e 20 de novembro. A passagem em classe econômica, com taxas aeroportuárias, custa R$ 1.502,18 pela tarifa Discount, R$ 1.580,65 pela Basic (que dá direito a uma mala de 23kg), R$ 1.690,51 pela Classic (que permite levar duas malas de R$ 23kg) e R$ 2.098,57 pela Plus (que inclui três bagagens de 23kg).
A diferença da primeira para a segunda é de R$ 78,47, pouco mais da metade do custo de despachar uma mala com bastante antecedência. E se o viajante deixar para comprar a mala extra com menos de 36 horas de antecedência, pagará o equivalente a R$ 249, bem mais que os R$ 188,33 da diferença de preço entre a Discount e a Classic, que permite levar duas malas de até 23kg.
De acordo com a TAP, a nova política de preços foi pensada para favorecer passageiros que tradicionalmente viajam mais leves, como mochileiros, ou ainda aqueles que vão fazer compras no exterior, que poderiam embarcar apenas com a bagagem de mão e comprar uma nova mala na viagem, pagando um tipo de tarifa na ida e outro na volta.
Dentre as companhias aéreas estrangeiras que operam no Brasil, a TAP é a primeira a cobrar para despachar bagagem no porão. Mas não significa que as demais mantiveram a política das duas malas de até 32kg para voos saindo do Brasil.
A United e a Lufthansa já alteraram sua política, incluindo apenas uma bagagem despachada de até 23kg em suas tarifas mais econômicas.
Já as passagens mais baratas de Emirates, American Airlines e Delta dão direito a despachar duas malas de até 23kg cada.
Air France, KLM, Copa e Aerolíneas Argentinas, por sua vez, mantiveram as duas malas de até 32kg nas tarifas mais básicas da classe econômica.