Literatura

No Dia do Orgulho LGBTQI+, conheça 10 livros que abordam temática

De 'Moby Dick' a 'Me chame pelo seu nome', conheça a seleção do escritor Samir Machado de Machado

Agência O Globo
- Atualizada em

A homoafetividade é um tema recorrente da literatura — embora nem sempre ela seja apresentada de forma explícita. Para escapar do preconceito e da censura, a temática, segundo o escritor e pesquisador Samir Machado de Machado, já foi obrigada a aparecer nas entrelinhas, mas com o tempo se liberou.


Para celebrar o Dia do Orgulho LGBTQI+, convidamos Samir, autor dos romances "Homens eLegantes" (Rocco, 2016) e "Tupinilândia" (Todavia, 2018), para selecionar10 livros que mostram a evolução das relações entre literatura e homossexualidade.

"Maurice", de E. M. Forster

Adaptado ao cinema pelo mesmo James Ivory que ganhou o Oscar esse ano por "Me chame pelo seu nome", o livro póstumo de Forster narra a relação entre dois jovens na Inglaterra do início do século XX, inspirada na vida real do ativista Edward Carpenter.

"Dois garotos se beijando", de David Levithan

Dois garotos decidem bater o recorde de beijo mais longo, e a transmissão ao vivo afeta a vida de outros cinco adolescentes gays em diferentes situações de vida — tudo narrado por um coro, formado pelos mortos na epidemia de AIDS dos anos 80.

"A linha da beleza", de Alan Hollinghurst

Na Londres do início dos anos 80, um jovem gay recém-formado acaba indo morar como “agregado” na casa de um político conservador em Notting Hill, explorando a hipocrisia da alta sociedade londrina e da política inglesa.

"Moby Dick", de Herman Melville

Ishmael e Queequeg, dois marinheiros que se conhecem ao dividirem uma cama num quarto de pensão, criam uma amizade íntima selada como “casamento” e embarcam na busca obsessiva pela grande baleia branca — ou "sperm whale", em inglês— em um dos livros mais fálicos e homoeróticos da literatura

"Por que calar nossos amores?", organizado por Guilherme Gontijo Flores

Seleção bilíngue de poesia homoerótica latina, como Ovídio, Marcial e Petrônio, com destaque para o trecho completo da "Eneida" de Virgílio sobre o casal de heróis Niso e Euríalo.

"Me chame pelo seu nome", de André Aciman

Adaptado para o cinema este ano, uma exploração sensorial e psicológica do despertar do desejo do adolescente Elio por Oliver, o estudante universitário que se hospeda na casa de sua família, num verão no norte da Itália nos anos 80.

"Amora", de Natália Borges Polesso

Vencedor do Jabuti em 2016, o livro reúne contos sobre personagens lésbicas em diferentes situações e momentos da vida, indo do humor ao drama, com destaque para o conto "Tia Marga" no qual, durante o funeral de uma tia, a narradora conclui que alguém tem que assumir o papel de tia fofoqueira da família.

"Enquanto os dentes", de Carlos Eduardo Pereira

Um cadeirante negro e homossexual reflete sobre seus relacionamentos passados e o convívio difícil com o pai militar, durante uma travessia para Niterói. Um livro intenso e duro sobre a vida difícil de alguém fisicamente forçado a ver o mundo sempre “por baixo”.

"O quarto de Giovanni", de James Baldwin

Escrito e publicado nos anos 50 e de tons biográficos, conta sobre David, um jovem americano em Paris que se apaixona pelo garçom italiano Giovanni, enquanto aguarda a chegada da noiva Hella. Dividido entre os dois, enfrenta um vazio existencial.

"Devassos no Paraíso", de João Silvério Trevisan

Um clássico da História LGBT brasileira e o mais completo estudo sobre homoafetividade no Brasil, será enfim relançando em nova edição, revista e ampliada, a partir de agosto.