Comportamento

Pais de primeira viagem contam como a vida mudou 'da água para o vinho'

Novos papais, que tiveram filhos durante a pandemia de Covid-19, relatam medos, inseguranças e todo o encantamento em viver com os seus bebês

Carlos Bahia* (carlos.filho@redebahia.com.br)

O Dia dos Pais será comemorado no próximo domingo (9). Ainda que seja uma data com circunstâncias diferentes, em razão da pandemia do novo coronavírus, vai ser um dia para lá de especial para homens como Danilo Souza, Harlan Patrick e Gregory Santiago. Eles, que são moradores de Salvador e talvez nem se conheçam, vão passar a data como papai pela primeira vez.

O nascimento de bebês durante a pandemia não é exclusividade dos três. Segundo estimativa da UNICEF, realizada no mês de maio, o Brasil terá cerca de 2,3 milhões de novos brasileirinhos e brasileirinhas até o fim do ano. Mesmo debaixo da crise, os novos pais são só felicidade. O iBahia conversou com os três sobre essa mudança de vida "da água para o vinho", assim descrito por eles próprios, além da expectativa de comemorar o próximo domingo não só como filho, mas dessa vez como pai.

Tudo planejado

É possível dizer que Danilo Souza investiu no sonho de ser pai. O auxiliar administrativo contou ao iBahia que ele e a mulher, Isabelly, chegaram a tomar remédios de limpeza fúngica para poder gerar o primeiro herdeiro. Segundo ele, o desejo de ser pai começou quando o mais velho dos três irmãos descobriu que seria pai. "Fui acompanhando a paternidade dele e surgiu esse desejo", disse o morador de Pernambués.

Danilo conseguiu no ano passado o que tanto queria, e descobriu a gravidez da esposa de uma forma curiosa. Com uma prima grávida, ele saiu com Isabelly para comprar presentes para o bebê que viria, mas com a suspeita de gravidez da esposa, os dois resolveram fazer o teste de gravidez, que deu positivo. "Vai terminar que isso tudo que compramos vai ficar para a gente", brincou o jovem.

Foto: Arquivo pessoal

A expectativa era grande, mas a espera precisou ser também. Foram quase dez meses de gestação e oito horas de parto até a chegada de Ravi, no dia 23 de abril. Segundo Danilo, o momento do nascimento do filho mudou também a relação com a mulher, para melhor. "Aquilo me fortificou. Se eu amava minha esposa antes, agora é muito mais. Eu vi a força dela naquele parto, e isso mudou minha visão até sobre minha mãe, do quanto ela é forte por também ter passado por isso", descreveu. 

Com a necessidade de sair para trabalhar atualmente, Danilo diz tomar todos os cuidados com higiene na hora de chegar em casa, para proteger e desfrutar da companhia de Ravi da melhor maneira possível. "A gente passa o dia todo no serviço, mas quando chega em casa e ele abre aquele biquinho banguelo, eu já esqueço o estresse", se derrete o papai.

*Toda a gestação de Ravi foi acompanhada pelo programa Nascer Bem, do Hapvida, que visa garantir tranquilidade e segurança durante toda gestação e pós-parto para as mamães e bebês. 

Mistura de sentimentos

O dia dos pais de Harlan Patrick, tatuador de 39 anos, vai ser completamente diferente de todos os outros que ele passou. Feliz com a chegada de Maria Valentina, que completou dois meses no dia 5 de agosto, o morador do bairro de Fazenda Grande terá o primeiro dia dos pais sem o próprio pai, falecido há quatro meses, vítima de um câncer raro. Harlan lembra que o sonho do pai era ver a netinha. "Ele ficava me cobrando, dizendo 'e ai, cabeção, não vai me dar uma neta?'. Ele até acompanhou uma parte da gestação, mas infelizmente não a viu nascer", lamenta.

Apesar da tristeza por um lado, Harlan se mostra um pai coruja com Maria Valentina, mesmo que "ela goste mais da mãe", brincou ele. "Você fala com ela mesmo sabendo que ela não vai responder, é uma sensação incrível", derrete-se. Assim como Danilo, o tatuador diz que a mudança de vida foi "da água para o vinho", mas a relação com a esposa Ingrid só melhorou. "A relação muda muito, mas depois de acompanhar toda a gestação, eu valorizo ainda mais minha esposa", declara, e completa. "Quando ela disse que tava grávida, é aquela sensação de susto, de medo, mas depois a gente vê que aquilo é uma benção. Minha vida mudou toda para melhor".

Mesmo sem o pai vivo, Harlan tem certeza de que vai passar tudo que aprendeu com ele para Maria Valentina. "Ele me ensinou acima de tudo a ser uma pessoa boa, a não guardar mágoa e viver um dia após o outro. Na vida a gente tem que ter um sonho, trabalhar e se divertir para, principalmente, viver feliz".

Foto: Arquivo pessoal

À espera do filho

Se Danilo e Harlan já vão ter a companhia dos seus herdeiros, Gregory Santiago viverá o primeiro dia dos pais dele ainda na espera por Zyon. A esposa Tuane está no oitavo mês de gestação, mas o instrumentista industrial não esconde a ansiedade pela data e, principalmente, para conhecer o garoto. "Muito ansioso para ver a carinha do meu filho", resume.

Foto: Arquivo pessoal

Morador de Cajazeiras, o jovem de 26 anos disse que a gravidez não foi planejada, mas que o casal corre atrás. "Procuro sempre pesquisar, perguntar aos mais velhos para saber como lidar com ele quando nascer, como lidar com minha esposa durante a gestação", diz Gregory, que também elogia a companheira. "Nós temos uma conexão boa, conversamos muito e estamos dando conta do recado", afirma.

Assim como os outros papais de primeira viagem, Gregory quer passar todos os ensinamentos do pai para o garoto que está para chegar. "(O pai) é um cara que me ensinou tudo que eu sei, a ser o homem que eu sou hoje. E o principal ensinamento é a responsabilidade, para que meu filho seja uma criança muito bem educada", conclui.

*Sob supervisão da repórter Lívia Oliveira