Empreendedorismo

Para se inspirar: cinco projetos baianos de empreendedorismo que você precisa conhecer

Arthur Lima, Eveline Santos, Eduardo Lobo, Iago Santos e Joyce Melo contam como usaram inquietudes pessoais como mola propulsora para empreender

Lívia Oliveira (livia.oliveira@redebahia.com.br )
- Atualizada em

Quer ser um empreendedor (a) bem-sucedido (a)? Enxergar oportunidade nas dificuldades da vida e ter determinação são as chaves para o sucesso. Para entender um pouco mais sobre esse universo, conversamos com os empreendedores baianos Arthur Lima, Eveline Santos, Eduardo Lobo, Iago Santos e Joyce Melo, que apresentaram seus projetos e deram dicas para os iniciantes. Esta é uma das matérias que compõe o especial 'Brilho Baiano', onde o portal iBahia lista novos talentos de diversas áreas: música, empreendedorismo, artes cênicas, ciências, audiovisual, literatura e artes plásticas. Que tal ver tudo o que a Bahia tem de bom pra oferecer?

Arthur Lima, Eveline Santos, Eduardo Lobo, Iago Santos e Joyce Melo | Foto: Arquivo Pessoal 

Arthur Lima e o AfroSaúde 

Arthur Lima, de 28 anos, é formado em odontologia, fez residência em saúde da família e cursa o segundo ano do mestrado em saúde, ambiente e trabalho. Em sua vivência profissional, ele identificou muitos casos de pessoas negras que sofreram discriminação no setor público e no setor privado de saúde - tanto profissionais quanto pacientes. Com isso, ao lado de Igor Leonardo, ele fundou o AfroSaúde, plataforma com perfis de profissionais de saúde negros (médicos, psicólogo, fisioterapeutas, dentistas, nutricionistas, entre outras especialidades). 

Ao iBahia, Arthur contou que para transformar a ideia em algo concreto precisou mergulhar no universo do empreendedorismo e participou de eventos e cursos sobre a temática. "O lado mais gratificante é que nós construímos um produto com foco nos Afrodescentes e tem sido muito interessante pautar as questões de diversidade e inclusão na saúde", conta Arthur. Ele também reforçou que o apoio do Vale do Dendê, organização destinada a fomentar ecossistemas de inovação e criatividade, foi fundamental para o desenrolar do projeto. 

Foto: reprodução

Como todo empreendedor, o jovem garantiu que já tem outros projetos em mente. "Na pandemia criamos o TeleCorona, uma espécie de 0800 com médicos, enfermeiros e outros profissionais de saúde, que dava orientação gratuita sobre o coronavírus para a população periférica de Salvador", acrescenta. Em 2020, Arthur foi reconhecido como uma das 100 Pessoas Mais Influentes de Descendência Africana (Mipad).

Eveline Santos e o Eva Sex Shop 

Quem disse que para abrir um negócio é preciso investir muito dinheiro? Eveline e o companheiro, Eduardo, são prova de que é possível fazer muito com pouco. Em 2015, ela cursava direito e ele engenharia e, com R$ 200, compraram produtos eróticos e começaram a vender na faculdade e nos estágios. Atualmente, o negócio funciona como e-commerce, os produtos disponíveis no site são entregues em todo Brasil. Em Salvador e Lauro de Freitas, as entregas são feitas por motoboy. As demais localidades são pelos Correios. 

Na entrevista, Eveline, de 26 anos, que é formada em direito, contou que o projeto nasceu de uma necessidade de ter uma grana extra, para conseguir arcar com as despesas da faculdade e ajudar a mãe, e se tornou uma grande satisfação pessoal e profissional. "Me sinto privilegiada com cada 'obrigada' que recebo dos meus clientes. É bacana perceber que as pessoas me dão a chance de entrar no que elas tem de mais íntimo, no que não mostram para ninguém, e ajudar essas pessoas a ficarem lindas de dentro para fora". 

Eveline capacitando vendedoras de cosméticos sensuais | Foto: Arquivo Pessoal

Para ser empreendedora, ela afirmou que precisou aprender com os erros, que faz de todas as experiências uma oportunidade e que vende uma ideia, uma fantasia, não apenas os produtos. A Eva Sex Shop está em todas as redes sociais debatendo variadas temáticas e trazendo dicas para melhorar a vida sexual das pessoas. "Aprendi que as pessoas interagem com pessoas e que as pessoas consomem conteúdos digitais para se divertir, se informar, a compra é uma consequência. Então, faço a divulgação dos produtos de maneira subliminar". 

Contatos:
Site www.evasexshop.com.br
Youtube Clube da Eva
Instagram @sexshop.eva

Eduardo Lobo e o QR Point 

Eduardo Lobo, de 32 anos, é formado em administração, ex-presidente da Associação Baiana de Startups (ABAS) e desde a faculdade embarcou no empreendedorismo. Ele tinha uma empresa de recursos humanos e, em 2016, fez da dificuldade de controlar o ponto da equipe uma oportunidade para inovar com o QR Point, que permite o registro de ponto através do smartphone. "O objetivo é tornar o trabalho das áreas de recursos humanos, de pequenas e médias empresas, menos burocrático e mais focado em pessoas", explica Eduardo. 

Eduardo em evento de startup |Foto: Arquivo Pessoal


Ao portal, Eduardo disse que considera uma evolução muito grande trabalhar com inovação e que nesse universo do empreendedorismo pode conhecer e lidar com muita gente. "Sou um empreendedor que empreende por propósito, por acreditar de fato no sonho e não por questões financeiras. Tento gerar um impacto positivo para todos os envolvidos", pontua. 

Com uma base de cerca de 3.500 clientes por todo Brasil, a startup oferece a possibilidade das pessoas testarem gratuitamente o serviço por dez dias. "A gente já ganhou alguns prêmios importantes – o Desafio Like a Boss do Sebrae, em 2017; o troféu startup do ano pela Associação das Empresas Brasileiras de Tecnologia da Informação Regional Bahia (ASSESPRO-BA), em 2018; e o prêmio de startup revelação na Campus Party 2019", lembra. 

O designer gráfico Iago Santos, de 27 anos, trabalhava na Barra, em Salvador, quando os aplicativos de delivery começaram a ganhar o gosto do povo. Foi aí que ele percebeu que a facilidade de fazer pedidos não existia nas áreas periféricas, e logo o problema se tornou uma ideia de negócio, ele fundou o Traz Favela, delivery sem distinção de área. Através do WhatsApp, o projeto interliga comerciantes e clientes e já atua em 26 localidades da capital baiana. "Em breve vamos lançar o nosso próprio aplicativo e pretendemos expandir o Traz Favela para outros estados", adiantou Iago. 

Marcos, Iago e Ana Luiza | Foto: Arquivo Pessoal

"Eu vi uma lacuna que não estava sendo preenchida pela mercado, participei de um evento de criação de negócios e a partir daí consegui dar o pontapé inicial no que o Traz Favela é hoje. O projeto trouxe bastante coisa para minha vida, tive a oportunidade de viajar para São Paulo e conhecer pessoas de grande importância no ecossistema de startups, em uma iniciativa de aceleração de startups do Google", revelou Iago. 

Ao ser questionado sobre o que o projeto, que toca ao lado de Marcos Silva e Ana Luiza, significa para ele, Iago disse que é muito gratificante. "Eu penso que se consegui ajudar o próximo é sinal de que estou fazendo algo certo e o Traz Favela veio junto com esse propósito". 


Joyce Melo e o Empoderamente  

Joyce Melo, de 21 anos, uniu a necessidade de desenvolver um projeto interdisciplinar durante o curso de jornalismo e a vontade de trabalhar com a estética negra para criar o Empoderamente, uma marca de turbantes, em 2016. Com o projeto, ela ganhou prêmios na faculdade, participou de feiras e ministrou oficinas e palestras sobre empreendedorismo, racismo e empoderamento. Atualmente, Joyce participa do ProLíder, maior programa de liderança jovem do Brasil. 

Kit turbante com máscara que foi lançado na pandemia | Foto: Arquivo Pessoal

Para o iBahia, Joyce explicou que a escolha do produto, turbante, é por ser um elemento muito simbólico para cultura negra, e reforçou a importância de colocar a temática em evidência. "O Empoderamente trabalha com a autoestima de mulheres negras, algo que sempre foi negligenciado desde a infância. Os turbantes faz a mulher se sentir mais bonita, mais poderosa, dona de si e empoderada, e isso me faz sentir que estou transformando a vida de alguém". 

Joyce ainda disse que concilia o negócio com outros projetos e que conseguiu aproveitar a  pandemia do coronavírus para lançar novidades. "Empoderamente começou com turbantes dois em um e na pandemia veio o kit turbante com máscara, também intensifiquei a produção de conteúdos nas redes sociais, o que ajudou a crescer bastante em vários termos de negócio". O projeto também lançou o documentário "Empoderamente: da aceitação ao reinado". 

Contatos:
Instagram @_empoderamente
Documentário no YouTube 

Dicas para ter sucesso ao empreender 

Enxergue as oportunidades: negócios podem surgir da possibilidade de aproveitar algo que gosta para ganhar dinheiro e/ou de problemas enfrentados no cotidiano;

Todo conhecimento é bem-vindo: pesquise o mercado e se dedique ao máximo. Dessa forma, você consegue propor algo diferente e atingir uma dor específica que esse mercado não atinge; 

Gere valor: foque em vender/trabalhar uma ideia e não no retorno financeiro, isso deve ser consequência. Você tem que ser o primeiro a gostar do seu projeto;

Faça networking: conhecer outros empreendedores e trocar ideias é fundamental para ampliar os horizontes e ter sucesso;

Procure investidor: até quem tem como investir um capital inicial vai precisar de uma "mãozinha" para fazer o negócio crescer, seja um sócio, investidor ou programa de aceleração de startups.