Brasil

Passeio trágico: Crianças ficam com carrapatos após visita zoológico

De acordo com relatos de pais de alunos e da própria escola, as crianças voltaram infestadas de carrapatos escondidos por diversas partes do corpo

Agência O Globo
- Atualizada em

Pais de alunos da colônia de férias do Colégio Coc Jardim Botânico foram pegos de surpresa na volta das crianças a uma visita ao Zoológico de Brasília, no Distrito Federal. De acordo com relatos de pais de alunos e da própria escola, após o passeio as crianças voltaram infestadas de carrapatos escondidos por diversas partes do corpo.

Na quarta-feira, as crianças foram levadas ao zoo para uma visita e um pequenique no local. No entanto, de acordo com a diretora da escola, Wilma Matos, após a visita, ela recebeu mensagens de pais que encontraram carrapatos nas crianças.

Foto: Reprodução

— Algumas mães entregaram em contato comigo; relataram que encontraram carrapatos nas crianças e até mesmo nas próprias mães! Entramos em contato com o Zoológico de Brasília e enviamos um comunicado para informar sobre o que realmente aconteceu — contou Wilma.

Em um comunicado enviado aos pais dos alunos, a escola diz que "infelizmente, algumas crianças voltaram para casa com carrapatos escondidos pelo corpo" após a visita, e pediu que os pais e responsáveis pelas crianças que participaram da visita procurem em seus filhos qualquer sinal que possa ser algum carrapato escondidos pelas dobras da pele.

"Como são parasitas muito pequenos, podem passar despercebidos por um tempo. Por isso, a Equipe COC pede a todos os pais e/ou responsáveis das crianças que foram ao passeio para que revisem seu corpo e o dos seus filhos - carrapato gosta de grudar nas dobras da pele, mas, pode também ficar alojado em qualquer lugar. Procurem, especialmente, as pernas e dobras na virilha. Se encontrarem algum ponto negro, olhem bem, pode ser um carrapatinho agarrado", escreveu o colégio.

Uma das mães, Celene Gandara, de 37 anos, contou que a filha dela foi uma das crianças que voltaram com carrapatos para casa.

— Ela voltou com carrapato. Muitos pais relataram o ocorrido. Nossa maior preocupação é por ser um período de ferias, onde muitas famílias visitam o zoo. Até o momento não precisei medicar minha filha. Estou observando, caso ocorra febre ou outro sintoma vou levar ao hospital. Apenas retirei o carrapato coloquei no álcool e depois joguei no vaso sanitário — relatou Celene.

Confira na íntegra a nota do Zoológico de Brasília:
As características da estação seca no Cerrado são ideais para o ciclo reprodutivo dos carrapatos em toda a região e, em função disso, ocorre o aumento do número de ocorrências em animais e até em humanos, principalmente próximo aos locais de área de vegetação natural preservada.
 
Além dos 139,7 hectares da área de visitação, o Zoológico de Brasília possui uma Área de Relevante Interesse Ecológico (Arie) conhecido como Santuário da Vida Silvestre, somando 440 hectares. Portanto, é comum a circulação por todo o parque de animais que habitam o local preservado, como as capivaras que são um dos principais alvos do carrapato, o que aumenta a disseminação do aracnídeo. Os visitantes podem se prevenir usando as calçadas do Zoo, preferindo o uso das estruturas com mesas e cadeiras ao invés de realizar os lanches no gramado, e com o uso de repelentes, sapatos fechados e calças. A instituição recomenda, por meio de faixas de alerta instaladas no parque, que o público não interaja com a fauna nativa.
 
Para minimizar o impacto dos carrapatos nesta época do ano, a Fundação Jardim Zoológico de Brasília (FJZB) participou do processo de licitação da Secretaria de Estado de Planejamento, Orçamento e Gestão (Seplag) para contratação de controle de pragas (Processo SEI-GDF nº 00410.00023233/2017-14). A instituição também autuou um processo de Dispensa de Licitação para realizar o serviço. Portanto, uma dedetização será realizada no Zoo. Além disso, o corte da grama é realizado frequentemente com objetivo de conter a população do aracnídeo e a instituição recomenda que o público use as estruturas como as calçadas, que passam por todos os recintos dos animais, e as cadeiras e mesas durante os passeios para evitar o contato com insetos e parasitas como o carrapato.
 
Um outro processo licitatório também foi autuado pela Fundação para adquirir novas estruturas de mesas e cadeiras para aumentar o conforto dos visitantes. Está prevista a compra de equipamentos para construção de novas praças e calçadas para o público. Outra iniciativa do Zoo é o controle biológico que é feito por meio do manejo de galinhas da angola, as quais são consumidoras de insetos, carrapatos, escorpiões, lagartas, formigas e cupins.
 
As orientações aos visitantes foram instaladas em painéis localizados na entrada do Zoológico, junto ao Centro Multifuncional de Acessibilidade (Cemfa) e à Diretoria de Educação Ambiental. Além disso, a Assessoria de Comunicação da Fundação publicou material no site e nas redes sociais da instituição com as informações de prevenção (Zoo de Brasília orienta público sobre ações de prevenção de carrapatos).