Salvador

Performance ousada com dendê fecha seminário internacional da Ufba

Campus da universidade recebeu palestras, apresentações e exposições no II Seminário Internacional Desfazendo Gênero

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)
- Atualizada em

O último dia do II Seminário Internacional Desfazendo Gênero, que começou na sexta-feira (4), na Universidade Federal da Bahia (Ufba), aconteceu nesta segunda-feira (7) e contou com uma apresentação chamada de 'Gordura Trans'. Nela, um homem pelado tomava banho com dendê no pátio do campus Ondina da universidade.

As fotos da performance foram divulgadas na página oficial do Seminário no Facebook. Nos comentários, alguns internautas elogiaram o trabalho, enquanto outros criticaram a apresentação e o chamaram "ofensivo" e "desnecessário". O último dia também contou com exposição de pôsteres de diferentes projetos pelo país, como o "Oficina de sexualidade e gênero na escola: relato de experiência" e "Metrofavelados? Corpo/Gênero - Arte/Perfomatividade. Uma etnografia com dançarinos de passinho".Conforme informado pelo iBahia, no sábado (5), estudantes surpreenderam ao assistirem uma palestra pelados em grama do PAF III. Ainda neste dia, aconteceu no Foyer do Teatro Castro Alves, a exposição 'Cu É Lindo' com uma série performática dirigida pelo carioca Kleper Reis.

Associada a esta exposição, estudantes criaram uma demonstração independente em frente a uma parede do PAF III em que também se pode ler as inscrições 'Cu É Lindo'. Segundo informações da assessoria da universidade, apesar de concentrar sua programação nas instalações da Ufba, a ideia do Desfazendo Gênero é ocupar espaços além dos muros da universidade, como foi o caso a Residência Universitária, no Corredor da Vitória, onde aconteceu o Caruru da Diversidade.

O SeminárioUm dos destaques do II Seminário Internacional Desfazendo Gênero foi a conferência de abertura, na manhã do sábado (05), no Teatro Castro Alves, quando a filósofa norte-americana Judith Butler abriu oficialmente o encontro. Considerada um ícone mundial nos estudos de sexualidade a partir de livros como Problemas de Gênero, a pesquisadora esteve pela primeira vez no Brasil. Começando por Salvador, sua viagem inclui ainda outras duas cidades: São José do Rio Preto e São Paulo.Ele foi criado em 2013, na Universidade Federal do Rio Grande do Norte, pelo núcleo Tirésias, na época coordenado pela professora Berenice Bento. A proposta foi a de criar um espaço específico para os estudos e ativismos queer no país.