Economia

Produtos da Semana Santa podem ter mais de 50% de impostos

Itens como vinho, bacalhau importado e colomba pascal têm as maiores cargas tributárias da época

Redação Correio 24h
- Atualizada em

Como os brasileiros, o Leão também está ansioso pela data mais doce do ano. Isso porque grande parte do que é pago pelos produtos típicos da época vai para os cofres públicos na forma de impostos. Segundo o Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação – IBPT, itens como vinho, bacalhau importado e colomba pascal têm as maiores cargas tributárias da época. O vinho lidera o ranking, com 54,73% de impostos sobre o preço do produto. O bacalhau vem em seguida (43,78%), acompanhado pela colomba pascal (38,68%). O preço dos tradicionais ovos embute 38,53% de tributos. Já os bombons são tributados em 37,61% e os tabletes 38,60%. De acordo com o presidente do IBPT, João Eloi Olenike, “se a carga tributária não fosse tão elevada, o consumidor teria condições de comprar mais e melhor nessa época, pois os preços seriam menores, já que a carga é repassada ao consumidor final”, afirma.

Grandes lojas garantem que vão absorver alta do dólarApesar da inflação e do dólar em alta, as grandes redes de supermercados em atuação na cidade esperam boas vendas nessa Páscoa e há expectativa média de crescimento de 10% em relação ao ano passado.Os principais estabelecimentos argumentam que muitos produtos, mesmo importados, são negociados com bastante antecedência e não devem sofrer a influência da valorização da moeda americana. O supermercado Extra espera um incremento de 10% nas vendas de ovos e chocolates, e 15% para o bacalhau. As lojas da Perini têm expectativa de aumentar em 20% as vendas de bacalhau, vinhos, azeites e outros produtos tradicionais da época. Já a rede Walmart (Bompreço) espera um incremento de 10% nas vendas de ovos e 7% nas de bacalhau.

Correio24horas