Educação

Quer aprender inglês sozinho? Veja os cinco passos para isso

Idioma é o mais falado do mundo, segundo levantamento, e fundamental para algumas profissões

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)
- Atualizada em

Muitas pessoas já a tratam como a segunda língua. O inglês se mostra como um conhecimento importante e quase pré-requisito, a depender da área de atuação que a pessoa esteja. Segundo levantamento do site World Tips, o inglês é a língua mais falada do mundo. E é possível aprendê-la por conta própria.

“É totalmente possível aprender inglês sozinho sem sair de casa se você souber quais etapas seguir e contar com a ajuda de um bom material didático. Estudos sobre gramática, ortografia e aquisição de vocabulário, por exemplo, são uma parte importantíssima na jornada de aprendizado e não são diferentes se você estiver estudando sozinho”, orienta o analista de conteúdo da EF English Live. O especialista listou dicas para ajudar no processo de aprendizado.

1- Crie um plano de estudos:

Segundo o analista, antes de colocar a mão na massa, é preciso planejar seus estudos com bastante cuidado, especialmente se a prioridade são os resultados rápidos. Para isso, uma das melhores maneiras de entender o nível de inglês é usar o Quadro Europeu Comum de Referência para Línguas (CERF), que divide os níveis de compreensão e expressão oral e escrita em três grupos diferentes. “Descobrir onde o seu conhecimento melhor se encaixa é importante para a identificação dos principais tópicos a serem estudados”, explica.

2 – Estabeleça uma rotina:

Estudar inglês pode ser muito divertido e empolgante em alguns momentos. “Apesar disso, é bastante comum ver estudantes deixarem o idioma de lado em épocas mais atarefadas. Isso pode prejudicar o progresso e adiar a tão sonhada fluência”, alerta Matos. Por esse motivo, o especialista afirma que estudar inglês precisa se tornar um hábito. “A consistência garante progressos contínuos e visíveis, ajudando na motivação. O primeiro passo é definir um objetivo claro e levar em conta quanto tempo você tem disponível, qual objetivo pretende alcançar e em quanto tempo pretende atingir esse objetivo”, orienta.

3 – Aprendendo a ler em inglês:

A habilidade de leitura em inglês é uma das primeiras etapas no processo de aprendizado do idioma. Os primeiros contatos com a língua normalmente se dão por meios textuais e é, portanto, a primeira aptidão a ser aperfeiçoada. Aqui vão algumas dicas preciosas do especialista para atingir resultados ainda mais rápidos:

  • Você não precisa de um dicionário para tudo

Embora seja uma maneira efetiva de aumentar o seu vocabulário, checar o dicionário não é a única. “Tentar descobrir o significado das palavras pelo contexto é uma boa alternativa. O exercício pode parecer bastante difícil à primeira vista e pode não funcionar para estudantes nos níveis mais básicos, mas fica cada vez mais fácil com o tempo. Com o aumento do seu vocabulário, esse processo de aprendizado fica tão automático que, muitas vezes, você se encontra em situações em que sabe o significado de palavras em inglês sem nem ao menos saber suas traduções para o português”, garante.

  • Aprender estruturas gramaticais é importante

Compreender as estruturas gramaticais da língua inglesa é um passo fundamental para desenvolver suas habilidades de leitura. “Estudantes no nível básico encontram muitas dificuldades nesse processo quando não aprendem como a língua inglesa é estruturada. Tente ficar confortável com o modo como as coisas funcionam no idioma antes de dar os próximos passos”, aconselha.

  • Tente ler coisas mais familiares para você

“Ler um livro em inglês que você já leu em português anteriormente é uma ótima maneira de treinar suas habilidades de leitura”, sugere Matos. Segundo ele, a familiaridade com a história e com os diálogos permite uma associação mais livre e abrangente entre as frases em inglês e seus respectivos significados. Isso ajuda não só na ampliação do seu vocabulário, mas também na familiarização com as estruturas gramaticais e o funcionamento da língua inglesa.

4 – Treinando o seu listening:

Para Matos, ouvir e compreender coisas faladas em inglês é um dos pontos que costumam ser os mais desafiadores para os estudantes. Alguns hábitos podem ajudar:

- Ouça músicas e assista a filmes e séries em inglês. “Você pode começar assistindo algo em inglês com legendas em português e, depois de ficar confortável o suficiente com a história, experimentar mudar as legendas para o inglês ou até mesmo desligá-las totalmente”, explica.

- Explore podcasts e vídeos no YouTube para praticar;

- Pratique com falantes nativos. 

5 – Treinando sua conversação em inglês

Depois de passar pelo nível básico e intermediário, muitos estudantes encontram sua maior dificuldade no aprendizado do inglês: a conversação. Mesmo conseguindo entender muito bem lendo e ouvindo inglês, é comum não se sentir confortável para falar. Matos lista algumas sugestões:

  • Fale em inglês com você mesmo

O medo de se sentir envergonhado ao cometer erros impede a gente de dar os primeiros passos. “Para contornar essa questão, você pode tentar estabelecer diálogos consigo mesmo em momentos particulares. Tentar falar em voz alta sobre o seu dia, sobre as coisas que vai fazer ou sobre algo que assistiu são ótimos modos de praticar seu raciocínio durante a conversação”, indica.

  • Pratique a pronúncia das palavras que você tem mais dificuldade

Os fonemas da língua inglesa podem ser um trava-línguas para os brasileiros, além de não seguirem regras muito objetivas para suas pronúncias. Portanto, nada resta senão a prática e o contato constante com o idioma. “Usar ferramentas como o Google Translate, dicionários online como Cambridge ou Oxford, ou ainda o app complementar da escola, EF Mentor: Sounds, para descobrir a pronúncia correta da palavra pode ajudar”, indica.

  • Não se preocupe com o seu sotaque

Segundo Matos, o sotaque é grande fonte de preocupação dos estudantes dos níveis mais avançados, o que pode ser um grande impeditivo para a prática do idioma e para as últimas etapas da aprendizagem. “Sotaques fazem parte dos idiomas e devem ser levados com a mesma naturalidade que levamos as diferenças de pronúncia do português entre as regiões do país”, comenta.

  • Mude o idioma dos seus dispositivos

“Você provavelmente está em contato com o seu celular ou computador praticamente o dia todo. Que tal usar o tempo navegando nas redes sociais ou fazendo outras tarefas para praticar inglês passivamente?”, sugere. Segundo ele, ao mudar o idioma tanto dos dispositivos quanto dos aplicativos que usa para o inglês, você ganha a oportunidade de aumentar o seu vocabulário e se acostumar com a presença do idioma no cotidiano.

  • Evite traduções e legendas sempre que possível

As traduções e legendas em português são muletas que precisam ser abandonadas lentamente, principalmente se você já é um estudante no nível intermediário. “Tentar descobrir o significado das palavras apenas pelo contexto da situação ou com um dicionário em inglês pode ser bastante trabalhoso, mas traz ganhos significativos. Não deixe de tentar”, incentiva o analista.

Faça um English Day!

O English Day é uma atividade que algumas escolas e empresas adotam para incentivar a prática da conversação. “Que tal combinar com alguns amigos interessados em praticar o idioma para vocês conversarem exclusivamente em inglês por um dia? Nele, todas as mensagens, e-mails, conversas casuais e reuniões serão feitas totalmente em inglês. São 24 horas para todos se ajudarem a melhorar suas habilidades de conversação”, sugere.