Tecnologia

Saiba como ganhar dinheiro na internet: novas profissões do mundo virtual

Enquanto você navega nas redes sociais, há quem esteja ganhando renda extra

Letycia Cardoso, da Agência O Globo

Enquanto você navega nas redes sociais, há quem esteja ganhando renda extra na internet. A personal organizer Flavia Gusmão, de 40 anos, por exemplo, faz a verificação de artigos para o We Heart It — rede social similar ao Pinterest, criada por um brasileiro — e embolsa U$ 500 por mês.

— Sou responsável por filtrar o que os usuários postam para não deixar passar nada que seja obsceno ou propaganda. Leio em média 4 mil artigos por mês. Para receber, preciso conferir pelo menos 50% do conteúdo que chega — explicou.

A administradora Maely Biavatti, de 37 anos, fez valer a expressão “tempo é dinheiro” e vender o tempo dela para resolver o “pepino” dos outros. Após longa experiência em escritórios, com recursos humanos e marketing, mas sempre ajudando em tarefas que não faziam parte de sua função, resolveu largar a carteira assinada para se transformar em secretária remota.

— Sempre que as pessoas precisavam resolver alguma coisa recorriam a mim: desde o meu padrasto que bateu e não sabia como acionar o seguro, até amigos que queriam ajuda para planejar uma viagem. No trabalho, eu sempre atraía demandas de suporte. Até que uma amiga me falou da profissão e fiquei interessada — contou.

No fim de 2017, Maely começou a fazer treinamentos e comprou a franquia D.Zorteia. Há um ano nesse mercado, fatura de R$ 4 a 6 mil por mês. No entanto, alerta que a renda pode variar com o número de clientes fixos e pontuais, para os quais vende pacotes mínimos de 8 horas.

— Todo mês, eu organizo equipes de cirurgias para um médico; para outro, que tem contador, pago as contas que ele não tem tempo; cuido da agenda de um SEO com muitas reuniões e, às vezes, organizo férias; faço agendamentos de segunda via de documentos. Tenho clientes até fora do Brasil —revelou.

Evandson Talagar, de 34 anos, perdeu o emprego há cinco anos e hoje também vive exclusivamente do trabalho online. Através da loja virtual do Magazine Luiza, intermedia vendas e consegue uma renda de R$ 2 mil por mês. De acordo com o gerente de novos negócios, Bernardo Leão, pela plataforma Magazine Você, que é gratuita, cada divulgador pode criar a própria URL e receber comissões de até 12%. Também há um programa de pontos e, quanto maior o nível, maior a comissão.

— Os pagamentos são quinzenais. Há vários métodos de acompanhamento dos divulgadores, como youtube e grupo no Facebook. Com a crise, notamos um crescimento nos interessados em participar — contou.

Físico ou Virtual

Para não terminar o mês no sufoco, a analista de qualidade de software, Marcela Fernandes Polato, de 27, atua como cliente oculto e responde pesquisas online remuneradas. — Me organizo para fazer pelo menos três avaliações por semana e, no fim do mês, consigo, em média R$ 300. Quanto às pesquisas, preciso responder várias para atingir 1600 pontos e receber R$ 75 direto no banco — contou.

O método de avaliação de padrão de atendimento de empresas cliente oculto existe há mais de 20 anos no Brasil, segundo sócia da recrutadora Sax, Erika Agostino. Antes, os questionários era enviados pelos Correios, depois por fax e, agora, por e-mail.

— Há mais pessoas participando, por causa da internet, que facilitou o acesso à informação. A gente usa muito as redes sociais para recrutar. Hoje temos mais de 60 mil clientes ocultos inscritos, em todo o Brasil — revelou.

De acordo com a tarefa, a remuneração varia de R$ 40 a R$ 1 mil, como na simulação de abertura de uma conta em banco. No caso de consumo, como em lojas de departamento ou varejo, a pessoa fica com o que comprar na loja e recebe uma ajuda de custos para transporte. Também é possível optar por atividades online, como avaliar o processo de compra em sites, desde o momento de procura até o tempo de entrega; ou ainda avaliar canais de atendimentos online, como chats ou e-mail.